Enfermeiros

Ministra diz que sindicância a enfermeiros não é “obviamente” nenhum ataque pessoal

243

"As atividades gerais da Saúde analisarão e, se tudo correr bem, concluirão tranquilamente que tudo está bem. Quem não deve não teme, logo há que seguir com tranquilidade", disse Marta Temido.

Marta Temido explica que o Ministério da Saúde fez "o que lhe competia"

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A ministra da Saúde disse nesta sexta-feira que a sindicância à Ordem dos Enfermeiros não é “obviamente” nenhum ataque pessoal à sua bastonária, frisando que a sua preocupação são os portugueses e não processos judiciais.

“Não é nenhum ataque pessoal [à bastonária da Ordem dos Enfermeiros]. A ministra não se revê nestes processos, nem a fazer ataques pessoais, nem a receber ataques pessoas”, disse Marta Temido à margem da abertura da assembleia-geral da Federação Europeia dos Reguladores da Medicina Dentária (Fedcar), no Porto.

A governante vincou que há um processo de sindicância e há vários processos judiciais a decorrer, sendo responsabilidade das entidades competentes avaliá-los, seguir e monitorizar, tendo o Ministério da Saúde “apenas feito o que lhe competia”.

Dizendo estar preocupada com a saúde dos portugueses e não com processos judiciais, expediente e manobras dilatórias que têm sede própria onde serão avaliadas, Marta Temido afirmou que a sindicância que foi determinada pelo seu ministério tem um enquadramento específico.

“As atividades gerais da Saúde analisarão e, se tudo correr bem, concluirão tranquilamente que tudo está bem. Quem não deve não teme, logo há que seguir com tranquilidade”, reforçou.

O Tribunal Administrativo de Lisboa rejeitou o pedido cautelar interposto pela Ordem dos Enfermeiros contra a ministra da Saúde “a título pessoal”, segundo fonte oficial do Ministério da Saúde.

“O Ministério da Saúde foi esta manhã [quinta-feira] notificado pelo Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa da ‘rejeição liminar’ do pedido cautelar interposto pela Ordem dos Enfermeiros contra a ministra da Saúde”, refere fonte oficial do gabinete de Marta Temido numa nota enviada à agência Lusa.

O Ministério recorda que prossegue no tribunal a análise à providência cautelar interposta pela Ordem dos Enfermeiros com o objetivo de suspender a eficácia da sindicância à ordem pedida por Marta Temido.

A Ordem dos Enfermeiros vai apresentar uma ação de impugnação do ato que ordenou a sindicância, com pedido de indemnização ao Ministério da Saúde e à ministra da Saúde, a título pessoal, disse à Lusa o advogado Paulo Graça.

O advogado adiantou ainda que a Ordem vai também recorrer da decisão do tribunal que rejeita o pedido cautelar interposto contra a ministra da Saúde.

A sindicância à Ordem dos Enfermeiros, realizada pela Inspeção-geral das Atividades em Saúde e determinada pela ministra, começou no final de abril, mas logo a bastonária Ana Rita Cavaco manifestou dúvidas legais sobre esta averiguação generalizada.

A bastonária dos Enfermeiros tem ainda argumentado que a sindicância é uma perseguição e uma vingança.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)