Serviço Nacional de Saúde

Hospitais devem ser avaliados e financiados pelos resultados dos seus atos médicos, pedem várias personalidades da saúde

A ideia consta do Compromisso Nacional por uma Agenda de Valor em Saúde em Portugal que será esta sexta-feira assinado por várias personalidades da área da saúde.

"O que traz mais valor para o doente trará, como consequência, mais valor para o sistema", afirma João Marques Gomes

ANTONIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Diversas personalidades da área da Saúde assinam nesta sexta-feira o Compromisso Nacional por uma Agenda de Valor em Saúde em Portugal que prevê que, até 2021, pelo menos um terço dos principais prestadores de saúde sejam financiados pelos resultados dos atos médicos praticados.

“A questão fundamental é perceber que os resultados clínicos de saúde, dos atos médicos, não são todos iguais. Nós todos, quando entramos no hospital, entramos de boa fé e a acreditar que é indiferente ser recebido por um ou outro médico num ou noutro hospital”, disse à Lusa João Marques Gomes, da Nova School of Business and Economics (SBE), um dos impulsionadores da iniciativa.

O responsável da faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa explicou que “a variação dos resultados pode ser muito significativa” e que é importante usar os dados que já fazem parte do processo clínico do doente para poder medir os resultados dos atos médicos prestados nas unidades de saúde.

“Muitas vezes temos os dados, mas não os usamos”, afirma João Marques Gomes, sublinhando que “se há variação de resultados entre unidades de saúde significa que há atos médicos que podiam ser melhores”.

Dando o exemplo da diferença das taxas de reoperação em alguns hospitais, o especialista afirma: “Do ponto de vista do sistema, significa que estou a financiar práticas clínicas que não são tão boas como deveriam ser”.

No encontro onde o compromisso será assinado estarão os bastonários das principais ordens profissionais na área da Saúde — médicos, enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos e nutricionistas —, administradores hospitalares públicos e privados, associações de doentes, sociedades médicas e diversas personalidades da área como o ex-ministro Adalberto Campos Fernandes, a ex-ministra Maria de Belém e o ex-diretor-geral da Saúde Constantino Sakellarides.

No texto do compromisso, a que a Lusa teve acesso, os signatários comprometem-se a “medir resultados que se foquem nos doentes, sistematizar práticas e integrar cuidados”, avançando com experiências piloto, e medir os custos totais para obter os resultados desejados, passando, “tendencialmente, a financiar por valor criado, não por atos isolados ou por silos terapêuticos”.

Comprometem-se ainda a adotar medidas para garantir que, em 2021, “pelo menos um terço dos atores da saúde em Portugal tenha aderido à prestação e ao financiamento de cuidados com base em valor”.

“Este esforço colaborativo será acompanhado por uma ‘task force’ onde todos se sentirão devidamente representados”, acrescenta o texto.

Para João Marques Gomes, “nem todos os atos médicos prestados acrescentam o mesmo valor para o doente” e, por isso, a prestação de cuidados de saúde deve ser analisada e avaliada com base no valor criado.

“O que traz mais valor para o doente trará, como consequência, mais valor para o sistema (…). Quando tenho doentes o que quero é tratá-los tão bem quanto possível, para eles não terem de voltar”, acrescentou.

Quanto ao financiamento dos atos médicos, o responsável defende que este modelo de avaliação “pode e deve mexer com o financiamento do ato médico”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
364

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Taxas Moderadoras

Capitulação do bom senso

Diogo Prates
126

O outro lado da demagogia desta maioria é que enquanto acabam com taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários, os antipsicóticos mais recentes deixaram de ter comparticipação a 100%. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)