Rádio Observador

Iémen

Iémen: Rebeldes Houthi começam retirada de Hodeida, Governo acusa-os de farsa

Os rebeldes Houthi começaram a retirada das suas forças da cidade portuária iemenita de Hodeida, adiantou o grupo, dando cumprimento ao cessar-fogo, mas Governo acusou-os de montar uma "nova farsa".

NAJEEB ALMAHBOOBI/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Os rebeldes Houthi começaram este sábado a retirada das suas forças da cidade portuária iemenita de Hodeida, adiantou o grupo, dando cumprimento aos termos do cessar-fogo, mas um alto responsável leal ao Governo acusou-os de montar uma “nova farsa”.

Al-Hassan Taher, governador da província de Hodeida, disse à AFP que nos portos de Hodeida, Salif e Ras Issa os combatentes Houthis fingem uma retirada enquanto transferem a autoridade dessas instalações para as forças de segurança que lhes são favoráveis, o que na prática significa “para eles mesmos”.

De acordo com o governador, os Houthis, apoiados pelo Irão, “recorreram a uma nova farsa transferido para si mesmos os portos de Hodeida, Salif e Ras Issa, sem qualquer acompanhamento das Nações Unidas e do Governo”, que é apoiado militarmente pela Arábia Saudita e pelos Emirados Árabes Unidos.

A retirada dos beligerantes foi acordada no decurso das conversações em dezembro sob a égide das Nações Unidas, na Suécia.

A “medida unilateral” dos rebeldes “contradiz o acordo (concluído na Suécia) e a ONU e o seu enviado para o Iémen, Martin Griffiths, devem assumir as suas responsabilidades”, disse Taher, que acusou o mediador das Nações Unidas de colaborar com os rebeldes.

“Martin Griffiths quer reclamar uma vitória, mesmo se os Houthis transferirem a autoridades entre eles. Rejeitamos totalmente isso e o acordo deve ser aplicado na íntegra, nomeadamente no que diz respeito à identidade das forças que vão assumir a posição dos Houthis”, disse.

Um chefe dos rebeldes, Mohammed Ali al-Houthi, já anteriormente tinha anunciado a intenção dos insurgentes de se retirarem a partir de hoje dos três portos iemenitas no Mar Vermelho.

Fontes próximas dos Houthis afirmaram que os rebeldes iniciaram a retirada e entregaram o comando à guarda-costeira, sem adiantarem mais pormenores.

Segundo a Associated Press (AP), o negociador do lado do Governo iemenita, Sadek Dawed, disse receber com agrado “o primeiro passo da primeira fase da retirada” das forças rebeldes, mas apelou à ONU para verificar e acompanhar a saída dos rebeldes.

Apelou ainda à remoção das minas terrestres deixadas pelos Houthis.

O canal de televisão al-Masirah TV, gerido pelos Houthis, tem transmitido que os observadores da ONU têm monitorizado a retirada.

Hodeida é o principal porto internacional de entrada de 70% de importações de ajuda humanitária ao Iémen, onde a guerra civil que dura há quatro anos já matou cerca de 60 mil pessoas e empurrou a maioria do país para a fome.

Quase dois terços dos iemenitas precisam de ajuda humanitária e três milhões estão deslocados. Milhares morreram de malnutrição, doenças que podem ser evitadas e epidemias.

Um cessar-fogo mediado pelas Nações Unidas em Dezembro na Suécia para a retirada mútua de rebeldes e forças governamentais de Hodeida e dos outros dois portos mais pequenos da província.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)