Iémen

Iémen: Rebeldes Houthi começam retirada de Hodeida, Governo acusa-os de farsa

Os rebeldes Houthi começaram a retirada das suas forças da cidade portuária iemenita de Hodeida, adiantou o grupo, dando cumprimento ao cessar-fogo, mas Governo acusou-os de montar uma "nova farsa".

NAJEEB ALMAHBOOBI/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Os rebeldes Houthi começaram este sábado a retirada das suas forças da cidade portuária iemenita de Hodeida, adiantou o grupo, dando cumprimento aos termos do cessar-fogo, mas um alto responsável leal ao Governo acusou-os de montar uma “nova farsa”.

Al-Hassan Taher, governador da província de Hodeida, disse à AFP que nos portos de Hodeida, Salif e Ras Issa os combatentes Houthis fingem uma retirada enquanto transferem a autoridade dessas instalações para as forças de segurança que lhes são favoráveis, o que na prática significa “para eles mesmos”.

De acordo com o governador, os Houthis, apoiados pelo Irão, “recorreram a uma nova farsa transferido para si mesmos os portos de Hodeida, Salif e Ras Issa, sem qualquer acompanhamento das Nações Unidas e do Governo”, que é apoiado militarmente pela Arábia Saudita e pelos Emirados Árabes Unidos.

A retirada dos beligerantes foi acordada no decurso das conversações em dezembro sob a égide das Nações Unidas, na Suécia.

A “medida unilateral” dos rebeldes “contradiz o acordo (concluído na Suécia) e a ONU e o seu enviado para o Iémen, Martin Griffiths, devem assumir as suas responsabilidades”, disse Taher, que acusou o mediador das Nações Unidas de colaborar com os rebeldes.

“Martin Griffiths quer reclamar uma vitória, mesmo se os Houthis transferirem a autoridades entre eles. Rejeitamos totalmente isso e o acordo deve ser aplicado na íntegra, nomeadamente no que diz respeito à identidade das forças que vão assumir a posição dos Houthis”, disse.

Um chefe dos rebeldes, Mohammed Ali al-Houthi, já anteriormente tinha anunciado a intenção dos insurgentes de se retirarem a partir de hoje dos três portos iemenitas no Mar Vermelho.

Fontes próximas dos Houthis afirmaram que os rebeldes iniciaram a retirada e entregaram o comando à guarda-costeira, sem adiantarem mais pormenores.

Segundo a Associated Press (AP), o negociador do lado do Governo iemenita, Sadek Dawed, disse receber com agrado “o primeiro passo da primeira fase da retirada” das forças rebeldes, mas apelou à ONU para verificar e acompanhar a saída dos rebeldes.

Apelou ainda à remoção das minas terrestres deixadas pelos Houthis.

O canal de televisão al-Masirah TV, gerido pelos Houthis, tem transmitido que os observadores da ONU têm monitorizado a retirada.

Hodeida é o principal porto internacional de entrada de 70% de importações de ajuda humanitária ao Iémen, onde a guerra civil que dura há quatro anos já matou cerca de 60 mil pessoas e empurrou a maioria do país para a fome.

Quase dois terços dos iemenitas precisam de ajuda humanitária e três milhões estão deslocados. Milhares morreram de malnutrição, doenças que podem ser evitadas e epidemias.

Um cessar-fogo mediado pelas Nações Unidas em Dezembro na Suécia para a retirada mútua de rebeldes e forças governamentais de Hodeida e dos outros dois portos mais pequenos da província.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)