Um lutador veterano e antiga estrela do wrestling chamado César Barrón, mais conhecido pelo nome artístico Silver King, morreu este sábado num ringue de combate, quando competia em Londres. O mexicano de 51 anos terá morrido de ataque cardíaco, segundo relatos da imprensa mexicana mencionados pela BBC e “relatos da indústria” do wrestling citados pela CNN.

Silver King num ringue de combate, em 2016 (@ Jack Taylor/Getty Images)

César Barrón, que também chegou a ser conhecido como Black Tiger III, passou pela reconhecida federação mundial de wrestling World Championship Wrestling (WCW) — entre vários outros campeonatos — e chegou a interpretar um vilão num filme protagonizado pelo ator Jack Black — competia num combate intitulado “Greatest Show of Lucha Libre”.

O evento inseria-se numa divisão do wrestling chamada Lucha Libre, um estilo específico do wrestling profissional originário do México mas já implantado na Europa e Estados Unidos da América, em que as máscaras faciais têm uma importância acrescida, as manobras aéreas são especialmente utilizados e os combates entre equipas de dois ou três elemento (também conhecido como “tag team wrestling”) são muito comuns.

Neste dia de combate, Silver King estava a interpretar precisamente a personagem de vilão a que deu corpo no filme com Jack Black, intitulado “Lucha Libre”.

Inicialmente os espectadores presentes na sala The Roundhouse, em Camden, Londres, ficaram sem perceber o que tinha acontecido quando Silver King ficou imóvel no chão, contou um dos presentes, Roberto Carrera Maldonado, à BBC: “Pareceu que tinha sido encenado. Obviamente pareceu algo bastante normal durante uma luta”. O wrestler, contudo, ficou no chão apesar dos esforços do árbitro do combate para que se levantasse. Várias pessoas aproximaram-se também do ringue para o tentar ajudar e foi a partir daí que os espectadores começaram a pressentir que se passava alguma coisa.

Todos os nós estávamos completamente em choque — não era claro para ninguém o que tinha acontecido. Fiquei com a impressão que eles [ajudantes] não sabiam o que estavam a fazer”, apontou ainda o espectador.

Primeiro, foi anunciado ao público que o combate estava em “pausa”, mas mais tarde foi pedido ao público para abandonar o local. Foram enviadas ambulâncias para o local, mas o lutador acabou por morrer no local. A morte está a ser investigada como “não suspeita”, isto é, como morte acidental.

Um antigo colega de “Silver King”, El Hijo del Santo, escreveu no Twitter: “Lamento profundamente a morte do meu grande rival e parceiro em tantos combates. Ele foi-se como desejava: a lutar”. Também a antiga estrela da WWE (a principal federação de wrestling internacional) Sean Waltmen reagiu às notícias, publicando uma nota em que se lia: “Foi uma honra ter sido amigo do e ter partilhado o ringue com o grande Silver King. Ele foi verdadeiramente um dos grandes e estou de coração partido por causa da sua morte”.

O antigo presidente da World Championship Wrestling (WCW), Eric Bishoff, afirmou por sua vez (citado pela CNN): “Lamento as notícias do falecimento do Silver King. Como muitos dos maiores Luchadores que ajudaram os americanos a apreciaram a Lucha Libre e fizeram do Nitro [um programa muito popular da WCW, exibido entre 1995 e 2001] o sucesso que foi, sentiremos a falta dele. Muito obrigado e descansa em paz”. Foi precisamente nesse período final dos anos 1990 que Silver King teve o seu pico de popularidade mundial no wrestling.

O interesse de César Barrón pelo wrestling vem de família: o seu pai foi um lutador famoso no México nos anos 1960 até ter sofrido um acidente de carro em 1960. Também o irmão de Silver King chegou a competir, mas com menos protagonismo, com o nome artístico “Dr. Wagner Junior”.