Óbito

Estrela do wrestling morre durante combate em Londres

César Barrón, um wrestler mexicano mais conhecido pelo nome Silver King que passou pela WCW nos anos 1990, competia num evento em Londres quando colapsou no ringue. Terá morrido de ataque cardíaco.

O lutador mexicano morreu com 51 anos

Jack Taylor/Getty Images

Um lutador veterano e antiga estrela do wrestling chamado César Barrón, mais conhecido pelo nome artístico Silver King, morreu este sábado num ringue de combate, quando competia em Londres. O mexicano de 51 anos terá morrido de ataque cardíaco, segundo relatos da imprensa mexicana mencionados pela BBC e “relatos da indústria” do wrestling citados pela CNN.

Silver King num ringue de combate, em 2016 (@ Jack Taylor/Getty Images)

César Barrón, que também chegou a ser conhecido como Black Tiger III, passou pela reconhecida federação mundial de wrestling World Championship Wrestling (WCW) — entre vários outros campeonatos — e chegou a interpretar um vilão num filme protagonizado pelo ator Jack Black — competia num combate intitulado “Greatest Show of Lucha Libre”.

O evento inseria-se numa divisão do wrestling chamada Lucha Libre, um estilo específico do wrestling profissional originário do México mas já implantado na Europa e Estados Unidos da América, em que as máscaras faciais têm uma importância acrescida, as manobras aéreas são especialmente utilizados e os combates entre equipas de dois ou três elemento (também conhecido como “tag team wrestling”) são muito comuns.

Neste dia de combate, Silver King estava a interpretar precisamente a personagem de vilão a que deu corpo no filme com Jack Black, intitulado “Lucha Libre”.

Inicialmente os espectadores presentes na sala The Roundhouse, em Camden, Londres, ficaram sem perceber o que tinha acontecido quando Silver King ficou imóvel no chão, contou um dos presentes, Roberto Carrera Maldonado, à BBC: “Pareceu que tinha sido encenado. Obviamente pareceu algo bastante normal durante uma luta”. O wrestler, contudo, ficou no chão apesar dos esforços do árbitro do combate para que se levantasse. Várias pessoas aproximaram-se também do ringue para o tentar ajudar e foi a partir daí que os espectadores começaram a pressentir que se passava alguma coisa.

Todos os nós estávamos completamente em choque — não era claro para ninguém o que tinha acontecido. Fiquei com a impressão que eles [ajudantes] não sabiam o que estavam a fazer”, apontou ainda o espectador.

Primeiro, foi anunciado ao público que o combate estava em “pausa”, mas mais tarde foi pedido ao público para abandonar o local. Foram enviadas ambulâncias para o local, mas o lutador acabou por morrer no local. A morte está a ser investigada como “não suspeita”, isto é, como morte acidental.

Um antigo colega de “Silver King”, El Hijo del Santo, escreveu no Twitter: “Lamento profundamente a morte do meu grande rival e parceiro em tantos combates. Ele foi-se como desejava: a lutar”. Também a antiga estrela da WWE (a principal federação de wrestling internacional) Sean Waltmen reagiu às notícias, publicando uma nota em que se lia: “Foi uma honra ter sido amigo do e ter partilhado o ringue com o grande Silver King. Ele foi verdadeiramente um dos grandes e estou de coração partido por causa da sua morte”.

O antigo presidente da World Championship Wrestling (WCW), Eric Bishoff, afirmou por sua vez (citado pela CNN): “Lamento as notícias do falecimento do Silver King. Como muitos dos maiores Luchadores que ajudaram os americanos a apreciaram a Lucha Libre e fizeram do Nitro [um programa muito popular da WCW, exibido entre 1995 e 2001] o sucesso que foi, sentiremos a falta dele. Muito obrigado e descansa em paz”. Foi precisamente nesse período final dos anos 1990 que Silver King teve o seu pico de popularidade mundial no wrestling.

O interesse de César Barrón pelo wrestling vem de família: o seu pai foi um lutador famoso no México nos anos 1960 até ter sofrido um acidente de carro em 1960. Também o irmão de Silver King chegou a competir, mas com menos protagonismo, com o nome artístico “Dr. Wagner Junior”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)