Albânia

“A Albânia está ferida”. Novas manifestações contra o Governo após apelos à calma

A oposição acusa os responsáveis oficiais de corrupção e fraude eleitoral. Exige um governo de transição e eleições antecipadas. Confrontos entre polícia e manifestantes fizeram vários feridos.

A polícia respondeu com gás-lacrimogéneo aos opositores

Malton Dibra/EPA

Manifestantes anti-governamentais concentraram-se, esta segunda-feira, na capital da Albânia frente ao edifício do Governo e arremessaram tochas e bombas incendiárias em direção à polícia, horas após responsáveis dos Estados Unidos e a União Europeia (UE) terem apelado à contenção.

Nos protestos do fim de semana, grupos de opositores envolveram-se em confrontos com a polícia, que respondeu com gás lacrimogéneo, tendo sido registados feridos nos dois lados. O primeiro-ministro do Partido Socialista (PSSh), Edi Rama, denunciou o violento comportamento dos manifestantes, ao referir que “a Albânia está ferida”.

Antes dos protestos desta segunda-feira, o Ministério do Interior disse que a oposição “tentaria repetir os mesmos atos de violência”. No entanto, o Partido Democrático (PDSh, na oposição) acusou o Governo de tentar fomentar “o confronto, o conflito e o medo entre os cidadãos”. “Asseguramos aos cidadãos que o Partido Democrático se compromete com protestos pacíficos”, disse o partido.

A oposição promove protestos desde meados de fevereiro, acusando responsáveis oficiais de corrupção e fraude eleitoral nas legislativas de 2017 e exige um governo de transição e eleições antecipadas.

Através de uma declaração, a embaixada dos Estados Unidos em Tirana apelou esta segunda-feira aos líderes da oposição que condenem a violência e “assegurem que todos os futuros protestos públicos sejam ordeiros e pacíficos”. “As manifestações violentas estão a prejudicar os esforços de reformas democráticas e as perspetivas do país em direção à UE”, refere a nota, que também exorta a um “diálogo construtivo destinado a terminar com o impasse político”.

Diversos deputados europeus também apelaram aos albaneses que “se abstenham de todas as formas de violência”.

A Albânia deverá ser informada em junho sobre a decisão da UE ao seu pedido para o início de negociações oficiais sobre a adesão plena ao bloco comunitário.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)