Rádio Observador

Bombeiros

Comparticipações aos bombeiros alargadas em nova diretiva financeira

O MAI indica que para os bombeiros que integram o DECIR estão previstas compensações de 50 euros por dia e para os comandantes a compensação é de 65 euros diariamente.

O DECIR 2019 prevê, no período de maior nível de empenhamento, a mobilização de cerca de 11.500 operacionais, dos quais mais de 50% são bombeiros

PAULO NOVAIS/LUSA

Os bombeiros voluntários que integram o dispositivo de combate a incêndios vão continuar a receber 50 euros por dia este ano e as comparticipações das refeições às corporações vão ser aumentadas, indicou esta segunda-feira o Ministério da Administração Interna.

Estas comparticipações estão contempladas na diretiva financeira 2019, documento anual que regula a comparticipação do Estado das despesas resultantes das intervenções dos bombeiros em operações de proteção e socorro e estados de alerta especiais e permite apoiar as corporações na reparação e reposição de veículos e equipamentos, alimentação e combustível.

Em comunicado, o Ministério da Administração Interna (MAI) sustenta que a diretiva financeira deste ano, que aumenta o valor de algumas comparticipações, alarga a tipologia de despesas comparticipadas e simplifica o acesso ao apoio financeiro, foi aprovada com o “total acordo da Liga dos Bombeiros Portugueses”.

O MAI indica que para os bombeiros que integram o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) estão previstas compensações de 50 euros por dia e, para os comandantes, a compensação é de 65 euros diariamente.

Segundo o MAI, passa a estar incluída neste documento a cobertura de mais peças de equipamentos de proteção individual, bem como equipamento diverso, como por exemplo computadores e aparelhos GPS.

No que diz respeito às refeições, foi aumentada a comparticipação dos almoços e jantares de sete para 7,50 euros, enquanto nos pequenos-almoços, lanches e reforços, o valor passa de 1,80 para 2,20 euros.

O MAI refere que foi alterada a fórmula de cálculo para a comparticipação dos combustíveis, dando resposta a uma antiga reivindicação da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP).

O Ministério tutelado por Eduardo Cabrita sublinha que, a partir de agora, o valor da comparticipação, por litro de combustível, corresponde ao valor médio mensal fixado na tabela da Direção-Geral de Energia e Geologia.

A diretiva financeira para este ano estabelece também um alargamento das coberturas de despesas, contemplando mais tipologias de veículos, e revê a forma de pagamento dos veículos destruídos em operações que tenham ultrapassado o limite de vida útil.

Na nota, o MAI dá ainda conta que nesta diretiva financeira passam a estar cobertas as despesas decorrentes do pré-posicionamento de meios, mesmo dentro da área de atuação dos respetivos corpos de bombeiros.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da LBP, Jaime Marta Soares, confirmou que a nova diretiva financeira tem o acordo da Liga, tendo o documento algumas das reivindicações dos bombeiros, como é o caso das comparticipações em relação aos combustíveis e refeições.

No entanto, Jaime Marta Soares sustentou que a diretiva “não contempla todas as solicitações” da LBP, como o aumento da comparticipação aos bombeiros voluntários que fazem parte do DECIR.

A LBP reclamava, para este ano, um aumento de pelo menos 2,5 euros por dia, defendendo que os bombeiros voluntários deviam receber 52,5 euros por 24 horas de serviço.

“Este pequeno aumento seria de total justiça”, frisou Jaime Marta Soares.

No ano passado, os bombeiros voluntários viram este valor aumentado em cinco euros.

O DECIR 2019 prevê, no período de maior nível de empenhamento, a mobilização de cerca de 11.500 operacionais, dos quais mais de 50% são bombeiros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)