Rádio Observador

Lula da Silva

Lula da Silva diz que Bolsonaro é “doente” e desvaloriza a corrupção: “Não atrapalha a economia”

1.154

Numa entrevista à BBC a partir da prisão, Lula da Silva chama "doente" ao atual presidente do Brasil, desafia Moro para um debate e diz que a corrupção "não atrapalha a economia".

Getty Images

O antigo presidente brasileiro Lula da Silva diz que Jair Bolsonaro é “doente”. Na primeira entrevista televisiva que fez a partir da prisão, à britânica BBC, o antigo governante avalia o início de mandato de Bolsonaro como “extremamente desastroso” e acusa-o de “não compreender as coisas”: “Ele acaba de fazer um decreto a acabar com os conselhos populares criados a partir da Constituição de 1988. Defende barbaramente um estado armado e policialesco. Na cabeça dele, acha que as armas resolvem os problemas de toda a gente. Acaba autorizar que um fazendeiro pode usar arma e atirar em quem quiser. Acha que o problema do Brasil se resolve com armas, mas o problema do Brasil resolve-se é com livros, com escolas”, comenta.

Segundo Lula da Silva, o juiz Sérgio Moro — que conduziu a Operação Lava Jato, que condenou o antigo presidente do Brasil — chegou ao governo de Bolsonaro como recompensa por tê-lo mandado prender. Referindo-se a uma gravação vinda a público, de uma conversa entre ele e Dilma Rousseff, que o sucedeu na presidência, Lula da Silva comenta que essa é a prova de que “o Brasil está fora de controlo e já não tinha autoridade”: “Um juízo de 1ª instância fazer todos os desatinos que o Moro fez… ele fornecia à imprensa informações em primeira mão do jeito que entendia, a imprensa transformava a mentira do Moro em verdade e aí já se está condenado”, acusa ele em conversa com a BBC.

É por isso que, segundo ele, Sergio Moro não continuará muito tempo ao lado de Jair Bolsonaro no poder: “Ele não nasceu para isto. Nasceu para se esconder atrás de uma toga e ficar a ler o Código Penal. Ele tem de se submeter a debate. Eu, por exemplo, adoraria, quando saísse daqui, fazer um debate com ele sobre os crimes que cometi”. E acrescenta mais insultos ao presidente do Brasil: “Bolsonaro, em vez de só dizer porcaria, devia dizer: ‘Eu vou sair daqui a ser melhor que o Lula. Vou fazer universidades, vou investir em ciência e tecnologia, vou fazer mais casas’“.

E por que não o faz? Porque “corre atrás do filho para apagar um fogo todos os dias”, satiriza Lula da Silva: “Não quero falar sobre a família. Como eu não conheço, não quero ficar a dar palpite, mas aquilo que se apresenta publicamente é uma coisa incontrolável. Pelo bem do Brasil, espero que ele aprenda”.

Esta é a primeira entrevista que o ex-presidente brasileiro dá a uma televisão a partir da cadeia onde está detido, mas já antes tinha falado aos jornalistas do El País e da Folha de São Paulo. Na altura, Lula da Silva também atacou Bolsonaro e Sérgio Moro.

“A corrupção tem um peso, mas não ao ponto de atrapalhar”

Para Lula da Silva, o “bem do Brasil” estava nos passos que ele próprio tomou enquanto estava no poder: “Se cada pobre comprar dois pãezinhos e dois cafézinhos, se cada um comprar um par de sapatos, uma camisola e um par de calças, um tijolo a mais, a economia começa a funcionar. Há formas de um país crescer. Uma é o mercado interno, é produzir-se para o povo consumir. A outra é produzir para exportação. Mas para exportar é preciso fazer um esforço incomensurável para vender. Tem de bater à porta de cada país. Quando viajava levava empresários para tudo o que era sítio. Vendia sapatos, vendia roupa, vendia tudo. E é por isso que demos um crescimento extraordinário”, recorda.

Mas o Brasil já não é o mesmo, acredita ele. Lá, há “um problema psicológico coletivo na elite”, que é “não suportar a ascensão das camadas mais pobres do país”: “Incomoda que os pobres estejam a ocupar as praças que eram dos riscos, os pobres em restaurantes, os pobres a viajar nos aviões, os pobres estarem a ocupar um espaço de ascensão social que não estava previsto na elite brasileira desde o fim da escravidão”.

Questionado sobre a corrupção que assola o país, e pela qual Lula da Silva foi condenado, o antigo presidente do Brasil nega as acusações: “Não acredito que o Moro e o juiz que me condenou durmam com as consciência tranquila com que eu durmo. Sou um homem que estou muito tranquilo com a minha consciência. Só me tenho a mim e a esse povo maravilhoso lá fora. Quando provar a minha inocência, posso morrer tranquilo. Vou lutar para que os setores progressistas da sociedade voltem a governar esse país. Não é possível viver com a quantidade de mentira com que nós vivemos”, disse ele na entrevista à BBC.

No entanto, comentou Lula da Silva, a corrupção não é um problema grave. “Acho que a corrupção tem um peso, mas não ao ponto de atrapalhar o crescimento da economia do Brasil”, atirou: “O que atrapalha mesmo o crescimento da economia do Brasil é que o Brasil nunca pensou efetivamente em se desenvolver. O Brasil contentou-se em ser o que é: um país para 35 milhões e o resto que sejam número. Todos os mecanismos de combate à corrupção foram feitos nos meus oito anos e nos quatro da Dilma. Tudo!”, termina.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)