João Costa, um camionista de 45 anos, foi condenado a três anos de pena suspensa por homicídio negligente da filha Francisca, de dois anos. Segundo conta o Correio da Manhã (CM), o caso remonta a abril 2016, quando o carro que o homem conduzia depois de uma festa popular se despistou na EN259, em Santa Margarida do Sado, Ferreira do Alentejo. Como a cadeirinha não estava presa, a criança, que também seguia na viatura, morreu depois de ser cuspida e esmagada debaixo do capô do carro que capotou várias vezes.

Segundo o acórdão do Tribunal da Relação de Évora consultado pelo CM, o camionista acusou 0,75 gramas de álcool. Após ter estado numa festa popular em Alfundão com a mulher, com a filha mais velha e com Francisca, e depois de um desentendimento do casal, João Costa pegou no carro por volta das 2h00. A menina foi colocada numa cadeirinha com homologação caducada há duas décadas e não chegou a ser presa à viatura através do cinto de segurança.

O pai (que ultrapassou o limite de velocidade daquela zona, provou-se em tribunal) conduziu “exaltado pela discussão que o fez abandonar o baile e sob a influência do álcool”, diz o acórdão. Durante uma curva, o carro “despista-se e entra em derrapagem”. João Costa não o conseguiu controlar. Francisca foi projetada para a parte frontal da viatura e ficou debaixo do capô, depois de o carro capotar. O acidente foi, mais tarde, descoberto por militares do Exército e o corpo de Francisca por uma bombeira.

Além da pena suspensa de três anos, o homem terá que pagar 1.235 euros de multa e fica 15 meses proibido de conduzir.