Turismo

Secretária de Estado do Turismo rejeita “euforia” e diz que “há muito a fazer”

Ana Mendes Godinho destacou a importância do turismo, mas sublinhou que Portugal deve apostar mais na sustentabilidade ambiental e na valorização dos trabalhadores do setor.

A secretária de Estado do Turismo sublinhou que o setor representa atualmente 18,6% das exportações e 13,7% do PIB

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, rejeitou, esta segunda-feira, em Lisboa, que exista qualquer “euforia” ou “bolha” no setor, e reconheceu que ainda “há muito a fazer” em termos de sustentabilidade ambiental.

“Não me parece que haja razões para euforia, há razões objetivas para olhar para um setor que neste momento representa 18,6% das exportações e 13,7% do PIB [produto interno bruto], se olharmos para o consumo turístico interno”, disse esta segunda-feira Ana Mendes Godinho. “Não me parece que haja uma bolha”, salientou, referindo que o objetivo do país é que exista um “crescimento sustentável”, que aposta na “coesão territorial” e na “valorização de quem trabalha no turismo”.

No entanto, em termos de sustentabilidade ambiental, a governante reconhece que Portugal tem “ainda muito por fazer” para garantir que seja “um dos destinos mais sustentáveis do mundo”. “Já fomos considerados o destino mais sustentável da Europa este ano, mas tem de ser um trabalho em contínuo, e há muitíssimo a fazer”, afirmou aos jornalistas.

A secretária de Estado falava aos jornalistas à margem da tomada de posse dos novos órgãos sociais da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), que decorreu num hotel, em Lisboa.

Por sua vez, na cerimónia de tomada de posse dos órgãos da AHP, o presidente da associação, Raul Martins, referiu que “o esgotamento do aeroporto Humberto Delgado [em Lisboa] afeta todo o país, uma vez que é a principal porta de entrada em Portugal”, e que a adição do aeroporto do Montijo permitirá “passar de 55 milhões de passageiros por ano para 76 milhões”.

De acordo com Raul Martins, o aeroporto complementar do Montijo terá “um impacto em toda a economia nacional, que pode fazer crescer o PIB em cinco pontos percentuais”. No entanto, o responsável esta segunda-feira empossado alerta para que “o ressurgimento dos destinos do Mediterrâneo irá naturalmente afetar alguns mercados emissores de turistas para Portugal”, o que obrigará o país a “maior agilidade e eficácia na promoção”.

No segmento de mercados emissores de turistas, Raul Martins referiu ainda que “o Brexit perturba o mercado” proveniente daquele país, que ” tem um peso muito expressivo como mercado emissor de dormida, hóspedes e receitas, pelo que é natural alguma inquietude quanto ao impacto que terá no turismo nacional”.

A nível de regulação do Alojamento Local, o presidente da AHP apelou para que “os alojamentos locais de caráter coletivo – ‘hostels’, ‘guesthouses’ e estabelecimentos de hospedagem – sejam enquadrados na esfera dos empreendimentos turísticos”, e que “não faz sentido que quando todos servem o mesmo mercado de alojamento para turismo se exija para uns muito mais do que se exige para outros”.

O presidente da AHP disse ainda que “os contratos coletivos de trabalho existentes não são ajustados à indústria hoteleira atual” e que a associação tem negociado com os sindicatos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

É desta que fazemos valer a nossa geração?

Teresa Cunha Pinto

Esta geração vive com a barriga cheia de uma grande ilusão. De que é a geração mais informada, mais qualificada, mais viajada. É pura ilusão porque em nada se concretiza e materializa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)