Síria

Síria. 35 mortos em 24 horas em combates entre regime e jihadistas

Os conflitos entre o regime de Bashar al-Assad e grupos jihadistas mataram em apenas um dia cerca de 19 extremistas e 16 combatentes pró-regime. Aldeias e terrenos estão também a ser atacados.

Desde o fim de abril, pelo menos 119 civis foram mortos devido aos conflitos

SANA HANDOUT/EPA

Pelo menos 35 combatentes morreram nas últimas 24 horas em confrontos entre as forças do regime sírio e jihadistas no noroeste da Síria, palco de renovada violência há várias semanas, indicou esta segunda-feira uma ONG.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), entre domingo e esta segunda-feira, combates opondo o regime aos jihadistas ocorreram numa zona do nordeste da província de Latákia, ao lado de Idlib, matando pelo menos 19 extremistas e 16 combatentes pró-regime.

O regime de Bashar al-Assad e o seu aliado russo intensificaram desde o final de abril os bombardeamentos contra a província de Idlib e os territórios rebeldes adjacentes, como o norte da província de Hama, controlados pelo Hayat Tahrir al-Sham (HTS, antigo ramo sírio da Al-Qaida) e por outros grupos extremistas.

A escalada das últimas semanas é a mais violenta desde que Moscovo, que ajuda o regime, e Ancara, apoio de alguns grupos rebeldes, anunciaram em setembro de 2018 um acordo sobre uma “zona desmilitarizada” em Idlib, que devia separar os territórios dos insurgentes das zonas governamentais e garantir uma paragem das hostilidades na região.

As tropas sírias capturaram esta segunda-feira cinco aldeias e uma colina na periferia de Idlib, o último maior bastião rebelde na Síria, enquanto o líder do HTS pediu a todos os que possam que “cumpram o seu dever religioso” de se juntarem à luta. Abu Mohammed al-Golani disse ainda que os jihadistas têm o direito de atacar uma base russa na Síria porque “mais de 90% dos ataques aéreos russos visam mulheres e crianças”.

Entre o final de abril e 9 de maio, os bombardeamentos no sul da província de Idlib e norte da de Hama obrigaram à fuga de cerca de 180.000 pessoas. Segundo a ONU, estes deslocados refugiaram-se em zonas mais a norte.

A OSDH afirma que pelo menos 119 civis morreram devido aos confrontos desde o fim de abril.

A Síria tem sido devastada por um guerra desde meados de 2011 que já causou mais de 370.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)