Rádio Observador

Segurança Rodoviária

Campolide devolve o branco e preto às passadeiras e pinta pilaretes

1.686

Depois da Autoridade Nacional para a Segurança Rodoviária ter recomendado que se tirasse as passadeiras coloridas em Campolide, a Junta de Freguesia disse que continuaria a campanha de outra forma.

André Couto, presidente da Junta de Freguesia, ajudou a pintar as passadeiras em Campolide

André Couto/Facebook

A Junta de Freguesia de Campolide vai tirar as cores às duas passadeiras que foram pintadas de domingo para segunda-feira. A Prevenção Rodoviária Portuguesa alertou para o perigo da iniciativa e a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) recomendou que as cores fossem retiradas. Como alternativa à campanha de homenagem à comunidade LGBTI, a Junta vai pintar com as mesmas cores os pilaretes que assinalam as passadeiras.

Esta decisão surge no seguimento de um diálogo mantido com a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária e a Câmara Municipal de Lisboa para esclarecer as dúvidas suscitadas sobre a pintura dos espaços negros das passadeiras com as cores do arco-íris”, disse a Junta de Freguesia em comunicado. Acrescentando que “o parecer da ANSR não coloca em causa o simbolismo da campanha de pluralidade”, mas que se refere apenas à “reposição da cor contrastante”, ou seja, o contraste de branco e preto que está previsto no Regulamento de Sinalização do Trânsito.

A Junta de Freguesia lança o desafio a que outras “autarquias do país assinalem esta causa [contra a discriminação sexual] e reforcem a importância das passadeiras no quadro da segurança rodoviária”.

O parecer da ANSR, divulgado antes de conhecida a decisão da Junta de Freguesia, refere que “nos termos do Regulamento de Sinalização do Trânsito, os sinais de trânsito e as marcas rodoviárias devem obedecer às características definidas no que respeita a formas, cores, inscrições, símbolos e dimensões, bem como aos materiais a utilizar e às regras de colocação”. No caso das passadeiras — ou passagens para peões, como vem definido — devem ser constituídas “por barras longitudinais paralelas ao eixo da via, alternadas por intervalos regulares [formato zebra], ou por duas linhas transversais contínuas e indica o local por onde os peões devem efetuar o atravessamento da faixa de rodagem”.

É proibido pintar as passadeiras?

Pintar, escrever, colocar símbolos ou de alguma forma alterar um sinal tira-lhe a validade, diz ao Observador José Miguel Trigoso. O presidente da Prevenção Rodoviária Portuguesa contou que a própria instituição que preside se arriscou a cometer um erro do mesmo tipo com uma campanha de prevenção rodoviária. A ideia era ter uma frase escrita a amarelo — como “Antes de atravessar pare” ou “É melhor parar por aqui” — no início da passadeira para alertar os peões, mas foram avisados que essa alteração podia fazer com que a passadeira deixasse de o ser e abandonaram a ação.

Se houver um sinal vertical a passadeira pintada continua a ser válida?

Para começar, nem todas as passadeiras são antecedidas por sinais verticais. O Código da Estrada diz que quando há um sinal vertical, este se sobrepõe às marcas no pavimento, mas o problema com o quadrado azul com a indicação de passagem de peões é apenas informativo, diz José Miguel Trigoso. O sinal avisa que há uma passadeira, mas ela pode estar lá ou não (como nos casos em que foi colorida, ou que a cor branca desapareceu). O presidente da PRP admite que esta é uma questão que pode suscitar discussão e que depois cabe ao juiz decidir.

Os peões só podem atravessar a estrada nas passadeiras?

“Os peões só podem atravessar a faixa de rodagem nas passagens especialmente sinalizadas para esse efeito”, diz o Código da Estrada, mas há uma exceção: quando estas passagens não existem a menos de 50 metros. Neste caso, os peões podem atravessar a faixa “perpendicularmente ao eixo da faixa de rodagem”.

Quando há uma passadeira, o condutor deve reduzir a velocidade e parar para deixar passar o peão caso seja necessário. Isto desde que o peão já esteja a atravessar a estrada, diz a legislação. José Miguel Trigoso é mais cauteloso, prefere recomendar aos condutores que reduzam a velocidade ou travem sempre que vejam um peão com intenção de atravessar a estrada, mesmo que não tenha começado a fazê-lo.

Fique também a saber que, mesmo que o sinal luminoso já lhe tenha dado permissão para avançar (sinal verde), o peão tem prioridade sobre o veículo caso já se encontre a atravessar a estrada. O peão também tem prioridade sobre o veículo quando o condutor muda de direção, mesmo que não se encontre numa passadeira.

O que diz a legislação sobre passar fora da passadeira?

Um condutor que atropele um peão na passadeira estará a cometer uma infração porque a lei é clara quando à necessidade de reduzir a velocidade e parar. Mas fora das passadeiras não há legislação sobre o comportamento do condutor. Tudo o que existe é uma recomendação no prefácio do Código da Estrada: ” Impõe-se agora um cuidado adicional e especial
em relação a estes utilizadores vulneráveis [peões] por parte dos condutores de veículos a motor”. Logo, o atropelamento pode não constituir qualquer infração (se respeitar a velocidade e o limite de álcool, por exemplo).

Um atropelamento fora da passadeira não invalida a responsabilidade do condutor, mesmo que não tenha cometido uma infração, mas José Miguel Trigoso admite que a legislação deixa margem para responsabilizar o peão nestas situações. Sobre o atravessamento da faixa de rodagem, o Código da Estrada diz que “os peões não podem atravessar a faixa de rodagem sem previamente se certificarem de que, tendo em conta a distância que os separa dos veículos que nela transitam e a respetiva
velocidade, o podem fazer sem perigo de acidente”. Ou seja, se não tiver tempo para atravessar, não atravesse e não fique a contar que o carro vá parar. E o código ainda reforça com: “O atravessamento da faixa de rodagem deve fazer-se o mais rapidamente possível”.

Quais os riscos de pintar as passadeiras às cores?

A legislação define como devem ser os sinais — sejam as passadeiras, sejam os sinais verticais — e que estes devem ser sempre iguais para que possam ser fácil e rapidamente entendidos por quem os vê. Pintar a passadeira com cores, mesmo deixando as faixas brancas, altera o contraste preto e branco que se reconhece como uma passadeira, podendo fazer com que peões e condutores fiquem confusos em relação ao que estão a ver. “Se o sinal for diferente reagimos mal e tarde”, diz José Miguel Trigoso. “As mesmas coisas têm de ser sinalizadas da mesma forma.”

“A uniformidade resulta da utilização exclusiva de sinais e marcas rodoviárias regulamentares que é uma condição necessária à sua compreensão e apreensão imediata por parte de todos os utentes, com especial importância para os condutores”, disse a ANSR, em comunicado. “A homogeneidade corresponde a que, em condições idênticas, os condutores encontrem sinais e marcas rodoviárias com a mesma valência e dimensões.” Quer isto dizer que os sinais de trânsito “não podem ser acompanhados de motivos decorativos nem de objetos que possam prejudicar a sua visibilidade ou reconhecimento, ou ainda perturbar a atenção do condutor”.

Atualizado às 17h30

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)