Rússia

Putin recebe Pompeo em cenário de crescente escalada de tensão no estreito de Ormuz

Mike Pompeo irá reunir-se esta terça-feira com o seu homólogo russo Sergei Lavrov, que espera saber de que forma os norte-americanos "pretendem sair da crise que eles próprios criaram".

O Presidente russo, Vladimir Putin, recebe esta terça-feira o secretário de Estado norte-americano Mike Pompe

SERGEI ILNITSKY/EPA

O Presidente russo, Vladimir Putin, recebe esta terça-feira o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo num cenário de crescente escalada de tensão no Estreito de Ormuz, opondo os Estados Unidos e o Irão.

Nesta sua primeira deslocação à Rússia, Pompeo reunir-se-á ainda com o seu homólogo russo Sergei Lavrov.

A deslocação, prevista para segunda-feira, foi adiada por 24 horas para que Pompeo se reunisse em Bruxelas com responsáveis da União Europeia, que lhe pediram que os EUA mostrem “máxima contenção” perante a escalada de tensão no conflito com o Irão.

O Irão classificou segunda-feira como “preocupantes” os “atos de sabotagem” contra navios ao largo dos Emirados Árabes Unidos e pediu a realização de um inquérito.

“Os incidentes que ocorreram no mar de Omã são preocupantes e lamentáveis”, disse o porta-voz dos Negócios Estrangeiros, Abbas Moussavi, num comunicado, apelando para uma investigação e alertando contra “o aventureirismo de atores estrangeiros” para perturbar a navegação marítima.

O Irão já ameaçou várias vezes fechar aquele estreito estratégico, crucial para a navegação mundial e para o abastecimento petrolífero, em caso de confronto militar com os Estados Unidos.

A divulgação do incidente ocorre numa altura em que os Estados Unidos alertaram os navios para a possibilidade de “o Irão ou os seus representantes” poderem atacar o tráfego marítimo na região e quando Washington está a enviar para o Golfo Pérsico um porta-aviões e bombardeiros para combater alegadas ameaças de Teerão.

Na segunda-feira, no final de um encontro com o seu homólogo chinês, Wang Yi, o chefe da diplomacia russa disse que quando se reunir com Mike Pompeo, em Sochi, no sul da Rússia, espera esclarecer de que forma os norte-americanos “pretendem sair da crise que eles próprios criaram por causa das suas decisões unilaterais”.

Lavrov referia-se ao facto de, em 2018, os EUA terem abandonado o acordo nuclear com o Irão, por considerarem que aquele país não cumpria os seus compromissos.

Em resposta, na passada semana, quando se cumpria um ano do abandono dos EUA do acordo, o Irão anunciou que retomaria o seu programa nuclear e voltaria a produzir urânio enriquecido.

Na reunião de Mike Pompeo e Sergei Lavrov a crise iraniana será enquadrada pela complexa teia de relações diplomáticas à volta dos tratados nucleares, nomeadamente a extensão do tratado de redução de armas nucleares, START III, que expira em 2021.

O acordo, bilateral, START III foi assinado em 2010, pelos então presidentes norte-americano, Barack Obama, e russo, Dmitri Medvedev, determinando uma redução em 30% do número de ogivas nucleares, para 1550 por país.

O tratado também limitava em 700 o número de mísseis intercontinentais para cada país subscritor.

Com a saída dos EUA do Tratado de Mísseis de Curto e Médio Alcance (IMF), em 2018, a prorrogação por mais cinco anos do START II ficou em dúvida, com os dois países a acusarem-se mutuamente de falta de interesse na contenção na corrida ao armamento nuclear.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

Deixem os jornalistas trabalhar /premium

José Milhazes
322

A polícia russa deteve e espancou Ivan Golunov, jornalista do Meduza, conhecido pelas investigações sobre corrupção. É mais um sinal de que o Kremlin receia cada vez mais perder as rédeas do poder.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)