Rádio Observador

Futebol

A tua cara não me é estranha: filho de Sérgio Conceição marca e irmão de Lage vence no Olival

993

Clássico no Olival entre FC Porto e Benfica (1-2) teve Rodrigo Conceição, filho do técnico portista, como protagonista num duelo com muitos filhos (e netos) de caras conhecidas do futebol português.

Rodrigo Conceição marcou um golo, esteve ligado a outro mas foi expulso por acumulação a meia hora do final do clássico

Ivan Del Val/Global Imagens

Os apelidos são conhecidos, a maneira como tratam a bola explica o resto. Ainda são miúdos, com um longo trajeto como seniores para cumprir, mas as amostras iniciais mostram que se os pais foram jogadores de topo, também eles podem ambicionar chegar a esse patamar. Do lado do FC Porto, Fábio Silva, filho do antigo campeão pelo Boavista Jorge Silva, e Afonso Sousa, filho do antigo médio dos dragões Ricardo Sousa – e neto do campeão europeu pelos dragões, António Sousa. Do lado do Benfica, Vasco Paciência, filho do antigo internacional e campeão Domingos Paciência (e irmão de Gonçalo Paciência, agora no Eintracht), e Rodrigo Conceição, filho do atual treinador dos portistas, Sérgio Conceição. Tudo elementos a ter em conta no futuro.

O Olival recebia esta tarde aquele que era para muitos o jogo do título do Campeonato de juniores entre os únicos dois candidatos na fase final dos Sub-19: depois do empate no Seixal a abrir, o Benfica consentiu um nulo na receção ao Leixões e chegava a esta partida em atraso da oitava jornada com dois pontos atrás dos azuis e brancos (19-17). E um dos grandes protagonistas acabou mesmo por ser Rodrigo Conceição, que se transferiu do Boavista para o Seixal ainda como iniciado (Sub-15) depois de já ter jogado no Belenenses, no Olhanense, no Imortal e no Anadia: logo aos três minutos, numa jogada onde fletiu da esquerda para o meio, o avançado rematou colocado e sem hipóteses para Meixedo.

Ainda no primeiro tempo, depois de uma oportunidade flagrante falhada por Romário Baró, o FC Porto conseguiu mesmo chegar ao empate pelo capitão Fábio Vieira, aproveitando um erro de Gonçalo Loureiro quando o central tentava começar a construir a partir de trás (26′). Ainda antes do intervalo, Vasco Paciência desperdiçou uma boa chance após receber bem no peito antes de rematar por cima (36′) e Ángel Torres, uma das figuras na Youth League, obrigou Celton Biai a defesa apertada (42′).

Na segunda parte, o Benfica voltou a adiantar-se no marcador aos 56′ na transformação de uma grande penalidade por Tiago Dantas após falta de Meixedo depois de falhar um pontapé sozinho na área e carregar Rodrigo Conceição mas o jogo ganhou outras características a meia hora do fim, quando o mesmo Rodrigo Conceição viu o segundo amarelo. O FC Porto carregou até ao final, muitas vezes mais com o coração do que com a cabeça, mas o resultado não sofreria mais alterações, tendo sido ainda Tiago Araújo a acertar na parte de fora do poste dos dragões (90′). Os encarnados ganharam mesmo e Luís Nascimento fez a festa – Luís Nascimento que subiu de escalão no decorrer da época porque o irmão, Bruno Lage, passou da equipa B para a principal (do outro lado no banco estava Mário Silva, ex-campeão nacional e europeu pelos dragões com José Mourinho).

Com este resultado, o Benfica passa a liderar o Campeonato Nacional de juniores com 20 pontos, mais um do que o FC Porto, quando faltam apenas três jornadas para o final da prova. Os encarnados defrontam agora Alverca (fora), Sp. Braga (fora) e Sporting (casa), ao passo que os azuis e brancos jogam com Leixões (casa), Tondela (fora) e Sp. Braga (casa).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)