O presidente da comissão de inquérito à gestão da Caixa Geral de Negócios, Luís Leite Ramos, pediu aos serviços da comissão que transcrevam “de forma urgente” as declarações do empresário Joe Berardo na sua audição, da passada sexta-feira, para serem enviadas ao Ministério Público (MP). A ideia é que sejam investigados quaisquer eventuais indícios de crime, de acordo com informação avançada pelo jornal Público.

Em resposta ao Observador, fonte do MP explicou que já se encontra em investigação no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) “um inquérito que tem por objeto factos relacionados com a Caixa Geral de Depósitos”. “No âmbito desse inquérito, não deixarão de ser analisadas todas as questões consideradas criminalmente relevantes“, garantiu a mesma fonte, sem nunca se referir ao caso de Joe Berardo, até porque o MP ainda não recebeu a transcrição da CPI.

O presidente da comissão parlamentar de inquérito à Caixa, o social-democrata Luís Leite Ramos, precisou ao Observador que ainda não enviou nada para o Ministério Público, mas pediu a transcrição urgente com vista a esse efeito. “Também vou fazer um parecer para o Presidente da Assembleia da República por causa do requerimento do CDS a pedir a retirada da comenda” a Joe Berardo. “Amanhã reúno-me com os [dos partidos na CPI] para ouvir as suas avaliações sobre estas questões”, disse.