Rádio Observador

Estados Unidos da América

Estados Unidos suspendem tráfego aéreo com Venezuela

A suspensão abrange voos comercias de passageiros e de mercadorias. O Governo norte-americano justifica a medida devido à falta de segurança no país.

A decisão foi anunciada em comunicado do Departamento de Segurança Nacional norte-americano

JUSTIN LANE/EPA

Os Estados Unidos da América anunciaram esta quarta-feira que suspenderam todo o tráfego aéreo com a Venezuela devido a “ameaças de segurança”, avança o El Pais.  A suspensão abrange o tráfego comercial de passageiros e de mercadorias. O anúncio foi feito pelo Departamento de Segurança Nacional norte-americano.

“O Departamento do Interior concluiu que o estado atual da Venezuela representa uma ameaça à segurança dos passageiros, aeronaves e tripulação que viaja para ou desde o país. O interesse público requer uma suspensão imediata de todos os voos comerciais de passageiros ou mercadorias entre Estados Unidos e Venezuela”, refere em comunicado o Departamento de Transportes.

A informação detalhou que a suspensão dos voos permanecerá “em vigor indefinidamente” e que os departamentos de Estado, Transportes e Segurança Nacional continuarão a supervisionar as condições no país e que irão rever a medida se se alterarem.

Num outro comunicado, o Departamento de Transportes explicou que a lei federal autoriza a suspensão dos serviços de companhias aéreas estrangeiras e norte-americanas entre os Estados Unidos da América e um país estrangeiro quando há condições em aeroportos que ameaçam “a segurança de passageiros, aeronaves ou tripulações”. Esta medida acresce à já tomada pela Administração Federal de Aviação que proibiu operadores de aeronaves e pilotos certificados pelos Estados Unidos de voarem abaixo de 26.000 pés sobre território venezuelano, “também por razões de segurança”.

Várias companhias aéreas estão a deixar de voar para a Venezuela, devido à crise que o país atravessa. A 28 de março, a American Airlines anunciou a suspensão indefinida dos voos para o país. A American Airlines era a única grande companhia aérea dos Estados Unidos que mantinha os seus voos para a Venezuela a partir de Miami, depois de a United e a Delta terem suspendido os seus serviços em 2017. A Lufthansa, a Dynamic, a Air Canada, a Aeroméxico, a Alitalia e a Avianca também estão entre as companhias que suspenderam os voos para a Venezuela nos últimos anos.

A medida do Governo norte-americano é mais uma prova da oposição dos Estados Unidos ao regime de Nicolás Maduro. A decisão surge um dia depois de os serviços secretos venezuelanos terem cercado e invadido a Assembleia Nacional, orgão liderado por opositores de Nicolás Maduro.

Washington e Caracas suspenderam as relações diplomáticas depois de o presidente norte-americano, Donald Trump, ter reconhecido o líder da oposição Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

Além desta decisão, a administração de Trump anunciou várias sanções contra funcionários e familiares de pessoas ligadas ao Governo do presidente Nicolás Maduro, que, por seu lado, acusou os Estados Unidos de intervir nos assuntos internos do seu país.

Artigo atualizado às 22h50

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)