Rádio Observador

Eleições Europeias

Governo foi à campanha socialista e Costa puxou pelo 1,8% de crescimento

287

Em Almeirim apareceu um Governo encantado com os seus próprios feitos e um candidato na mesma linha. Costa com o crescimento, Matos Fernandes com o objetivo do carbono. Marques pediu "energia".

António Costa levou consigo de Lisboa o ministro do Ambiente e o da Segurança Social

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

No jantar-comício do PS, em Almeirim esta quarta-feira, juntaram-se dois ministros e o primeiro-ministro para apoiar o cabeça de lista do partido às Europeias. Para o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes foi mesmo uma estreia em comícios. Já Vieira da Silva ficou pela presença e guardou a voz para a noite seguinte. António Costa é que não se poupou na referência aos dados do Instituto Nacional de Estatística conhecidos de manhã sobre a economia portuguesa, que cresceu 1,8%  no primeiro trimestre do ano. O líder socialista diz que isso acontece porque “as empresas confiam no futuro do país e da economia”.

Houve apelo ao voto no dia 26 dos governantes — e também do candidato — que discursaram no púlpito, e pedidos por “mais força para o PS” nesta Europeias, mas houve sobretudo muitos auto-elogios à governação. Afinal, nestas Europeias Costa não joga só lugares no Parlamento Europeu, mas também uma vaga de força que valide a ação do Governo nestes três anos e meio. Os dados do INE foram ouro sobre este azul, com Costa a começar por valorizar o caminho das “contas certas” e a acabar a dizer que “há outras dimensões tão ou mais importantes”, atirando para os valores revelados esta quarta-feira.

“É verdade que a economia europeia e mundial estão em desaceleração, mas o que o INE veio dizer é que Portugal não só não está em desaceleração como no primeiro trimestre deste ano a nossa economia acelerou”, sublinhou o socialista que também é primeiro-ministro e acrescentou: “A nossa economia está a crescer mais e a acelerar, a crescer acima da média europeia e puxada pelo investimento das empresas. E isso é possível porque as empresas confiam no futuro do nosso país da nossa economia“.

“Antes de nós tudo era tão mau que ser ministro do Ambiente é fácil”, disse Matos Fernandes

Quanto às Europeias, Costa pede “força” para o PS no Parlamento Europeu porque ainda há que “concluir a negociação dos fundos comunitários para garantir que não há cortes na PAC nem na política de coesão”. Temas caros à audiência ribatejana que o ouvia. Esta “força” que pede “é três em um”, ou seja, pede-a para “continuar as boas políticas em Portugal”, porque “não há nenhum partido que mais defenda o projeto europeu do que o PS”, mas também porque “na Europa, ninguém mais do que o PS se debate mais na Europa pelos interesses de Portugal”.

Matos Fernandes, independente, foi a Almeirim apoiar o candidato socialista e estreou-se num comício ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Também falou na questão das alterações climáticas, mas porque o seu ministro do Ambiente — que é independente — tinha focado esse ponto como uma das grande “causas europeias”, colocando Portugal como “um exemplo” por se comprometer com o desafio de carbono zero em 2050. Matos Fernandes fez a estreia em comícios com um ataque à sua antecessora, Assunção Cristas.

Ser ministro do Ambiente é fácil, antes de nós havia o vazio”, disse Matos Fernandes

Sobre Cristas, o ministro disse que “foi ministra do Ambiente e não há ninguém que se lembre do que ela tenha feito” e concluiu: “Antes de nós tudo era tão mau que ser ministro do Ambiente é fácil”. E ainda acrescentou que “vai ser ainda mais fácil” depois da “vitória” do PS nas Europeias.

No período de campanha oficial, este foi o segundo comício em que o líder socialista marcou presença ao lado do candidato que escolheu às Europeias ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Já para o candidato, ficou o agradecimento pelo apoio prestado, dirigindo-se diretamente ao secretário-geral do partido: “Trouxeste contigo alguns dos melhores do nosso Governo, embora não estejam cá nessa qualidade“. Depois elogiou Matos Fernandes por ter falado do desafio das alterações climáticas: “Cá está outra vez o PS a falar de coisas que importam e não das campanhas sujas e de coisas que não interessam nada”. Quanto a Viera da Silva, que o levou para o Governo em 2005 como seu secretário de Estado na Segurança Social, Pedro Marques chamou-lhe “referência” na sua “vida política”.

Mas não deixou de referir os adversários do PSD onde vê uma campanha que “não está correr bem” e voltou a falar na “ideia peregrina de sobrevoar a dor das pessoas”, referindo-se ao voo de Rangel sobre a área ardida em 2017: “É mau de mais para ser verdade”.

Voltou a acusar a direita de “fazer ruído durante semanas” para não explicar porque votou contra o passe único nos transportes públicos, que considera a “medida mais estruturante da alteração no uso do transporte público”. Diz mesmo que “esta medida vai fazer caminho na Europa”.

No final, o cabeça de lista do PS às Europeias falou no “sonho” de ter um “país de sonho, de futuro. Uma Europa de sonho, de futuro”. E para isso pediu “energia para mais dias de campanha”.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Educação

Cheques de Ensino

Diogo Fernandes Sousa

Com os cheques de ensino se um pai se enganasse afetaria apenas o seu filho. Agora, se um político se engana no Ministério da Educação, como sucede regularmente, afeta toda uma geração de estudantes

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)