Rádio Observador

Tech Auto

O Autopilot evita um coelho. Deveria atropelá-lo?

146

Devem os sistemas de ajuda à condução evitar embates e salvar peões e ciclistas? Claro que sim. E em relação aos animais? A questão volta a estar na agenda depois de o Autopilot ter salvado um coelho.

Um cliente da Tesla publicou um vídeo em que o seu Model S, quando circulava com Autopilot ligado, detectou um coelho no meio da sua faixa de rodagem durante a noite, tendo travado e desviado para evitar atropelá-lo. Obviamente que a acção do sistema de ajuda à condução satisfez os fãs dos animais, por mais um coelho ter regressado à toca, são e salvo. Mas será que é suposto o Autopilot proteger até os bichos como o coelho? Mesmo que isso implique expor os outros condutores a riscos excessivos e a eventuais acidentes?

O Autopilot, tal como está disponível hoje, é um sistema de ajuda à condução. A sua obrigação é manter o carro no centro da faixa de rodagem, a uma distância segura do carro da frente e, de caminho, proteger o condutor de um erro quando muda de faixa ou se aproxima um semáforo vermelho ou Stop, situações onde a Tesla está largamente à frente de todos os concorrentes. Não é contudo pressuposto que o Autopilot conduza o carro sem o contributo e a vigilância de quem vai ao volante, seja por estar a dormir, a fazer posts nas redes sociais ou a rodar mais um filme para o Pornhub.

Sempre que um veículo realiza uma manobra inesperada, travando sem razão aparente ou saindo da faixa sem motivo óbvio, pelo menos para quem segue no carro de trás, de onde dificilmente consegue vislumbrar o coelho, incrementa o risco de acidente. E a questão que se coloca é saber onde traçamos o risco do que é aceitável evitar atropelar. Necessariamente embates em peões, ciclistas e outros veículos devem ser evitados, mas no que toca a animais, salvamos os cavalos e vacas – até porque apresentam um risco real para a vida de quem vai a bordo –, mas se continuarmos a baixar no ranking da dimensão e peso, onde que é paramos? No coelho, ou seguimos até à lagartixa e à formiga?

Se esta é uma questão a que importa responder, ela conduz-nos a outras ainda mais graves, a que os veículos autónomos serão obrigados a ter resposta. No caso em que dois grupos de peões atravessa uma rua e é impossível travar antes de embater num deles, o sistema autónomo – à semelhança do que também acontece com o condutor de carne e osso – deve optar por salvar o grupo das crianças ou o dos idosos? Poupar os advogados ou os sem-abrigo? Os políticos ou cidadãos normais? Se bem que algumas das respostas lhe pareçam óbvias, estas são questões que o software de condução autónoma, quando tal for permitido por lei – e tudo indica que acontecerá antes do que se pensava –, terá de responder. E respeitar, apesar das polémicas que necessariamente irá provocar.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)