O Papa Francisco recordou esta quarta-feira o atentado contra João Paulo II, a 13 de maio de 1981, ligando a sobrevivência do santo polaco à “proteção materna” de Nossa Senhora de Fátima, segundo a agência Ecclesia.

“O 13 de maio é o dia que recorda a primeira aparição de Nossa Senhora de Fátima, coincidindo com o dia do atentado contra a vida de São João Paulo II. Recordamos a sua afirmação: ‘Em tudo o que aconteceu vi uma particular proteção materna de Maria'”, referiu o pontífice, perante milhares de peregrinos reunidos na praça de São Pedro, para a audiência pública semanal.

De acordo com a Ecclesia, Francisco repetiu passagens da mensagem deixada aos videntes, na Cova da Iria, durante as aparições.

No momento em que fez a saudação aos peregrinos de língua portuguesa, o Papa recordou que maio é considerado pelos católicos como o “mês de Maria”, convidando a “multiplicar os gestos diários de veneração e imitação da Mãe de Deus”.

O atentado contra João Paulo II, atingido a tiro na praça de São Pedro, a 13 de maio de 1981, mudou a relação deste Papa com Fátima, onde viria a realizar três visitas, em 18 anos.

Um ano depois do atentado, João Paulo II foi à Cova da Iria reconhecer publicamente a sua convicção de que houve uma intercessão de Nossa Senhora de Fátima na sua recuperação.

Na Cova de Iria, viria a ser vítima de um novo ataque contra a sua vida, perpetrado pelo espanhol Juan Fernández Krohn, padre tradicionalista que usava um punhal.