Rádio Observador

GNR

Tribunal anula punição aplicada a GNR por balear assaltante nas costas durante perseguição

3.501

Apesar de absolvido em 2015, a então ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, aplicou ao GNR a pena de suspensão. A punição foi agora anulada e criticada.

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra anulou a decisão da Inspeção-Geral da Administração Interna

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra anulou a decisão da Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) que puniu disciplinarmente um GNR com vinte dias de suspensão por balear um assaltante nas costas durante uma perseguição, em 2013.

Em dezembro de 2015, o Tribunal de Sintra absolveu o militar do crime de ofensa à integridade física qualificada, mas a IGAI teve um entendimento diferente e, por despacho da então ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, de 1 de abril de 2015, aplicou ao militar a pena de suspensão de vinte dias, suspensa na sua execução por um ano, por atingir nas costas o suspeito de assaltar dois cafés, no concelho de Torres Vedras, distrito de Lisboa, quando este se colocava em fuga.

A sentença do Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Sintra agora proferida, e a que a agência Lusa teve hoje acesso, critica a decisão da IGAI e os fundamentos apresentados pelo instrutor do processo disciplinar.

“É crível que o autor [militar] tenha tentado atingir os pneus do carro, conforme declarou, porém, o veículo, movimentando-se aos ziguezagues e aos saltos (atente-se que se dirigiam para a linha férrea), num andamento irregular, a bala pode ter atingido, não os pneus, mas os chassis (que tipo de carro seria, os pneus seriam baixos ou altos, são elementos que não constam), pelo que, não é crível que o autor tenha querido atingir o suspeito”, sustenta a sentença.

O TAF de Sintra acrescenta que “também não parece eticamente correto” que o militar, “naquela circunstância de tempo e lugar, tivesse virado as costas e deixado escapar os suspeitos, como parece entender o ilustre instrutor” do processo da IGAI, pelo que, nesta parte, “afigura-se” a este tribunal administrativo que foi feita “uma incorreta valoração da prova”.

“De facto, o que aconteceu é que a utilização de arma de fogo foi amplamente divulgada na comunicação social, o que, – na conceção do instrutor [da IGAI] – ‘afetou de forma grave a imagem e o prestigio da GNR, tratando-se de uma conduta manifestamente dolosa’. Parece-nos – salvo melhor opinião – que afetaria mais a imagem da GNR se os militares tivessem voltado costas aos suspeitos, do que se os tivessem perseguido ou tentado parar o veículo, como aconteceu, neste caso”, sublinha a juíza Maria Paula Figueiredo.

O TAF de Sintra considera ainda que houve “uma valoração errada da prova, o que inquinou, como consequência, a decisão sancionatória, por assentar em errados pressupostos de facto”. Contactado esta quarta-feira pela Lusa, o advogado do militar da GNR em causa mostrou-se satisfeito com a sentença.

“A decisão ora tomada pelo Tribunal Administrativo de Sintra vem repor a legalidade da conduta do militar e, ao mesmo tempo, a justiça de quem apenas cumpriu o dever que lhe está imposto, sendo uma lição sobre a prudência que as entidades disciplinadoras devem ter em não dar decisões condenatórias em sede disciplinar antes de feito o julgamento em tribunal criminal”, afirmou Ricardo Serrano Vieira.

A acusação do Ministério Público (MP) contava que, na madrugada de 3 de maio de 2013, o “principal suspeito” dos assaltos na localidade de Silveira seguiu na direção de Sabugo, concelho de Sintra, “de modo a fugir ao alcance” das forças policiais.

O militar da GNR, à data com 28 anos, “disparou um tiro na direção da traseira da viatura”, tendo o projétil perfurado a chapa da carrinha e o banco do condutor. O assaltante foi atingido nas costas, na parte inferior da zona lombar esquerda, ao lado da coluna. As lesões provocadas pelo disparo obrigaram a que o suspeito estivesse 75 dias de baixa médica.

O ofendido avançou com um pedido de indemnização civil, no qual pedia ao arguido 30.000 euros, mas o mesmo foi recusado pelo Tribunal de Sintra. Nas alegações finais do julgamento, o MP tinha pedido a absolvição do arguido, “por considerar que a conduta estava prevista e legitimada pelo decreto-lei 457/99 (uso de armas de fogo em serviço)”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)