A Audi refrescou o seu A4, procedendo a ligeiras alterações na estética do modelo que se encontra à venda desde 2015. Mas o renovado familiar alemão que começará a chegar aos concessionários a partir do Outono não se ficou pelos retoques de imagem, acrescentando novas soluções de equipamento e, sobretudo, novidades sob o capot.

Visualmente, a mudança não é drástica. O A4 surge com uma frente onde sobressaem a nova grelha e grupos ópticos (as luzes são sempre LED, opcionalmente Matrix LED), enquanto atrás as mudanças são mais tímidas, centrando-se essencialmente na iluminação e no pára-choques.

17 fotos

Por dentro, o destaque vai para o novo sistema multimédia com o mais moderno sistema operativo da Audi (MIB 3) e ecrã de 10,1 polegadas. Este cresce (agora tem um máximo de 8,3”), mas não é só em tamanho. A resolução também é melhor e passa a ser táctil. Já quanto à instrumentação, os clientes vão poder optar entre duas soluções distintas. A mais básica é a “tradicional”, com os ponteiros do conta-rotações e do velocímetro em agulha e um ecrã central multifunções de 7”, ao passo que a mais evoluída é totalmente digital, sendo que aqui o chamado Audi Virtual Cockpit se estende ao longo de um display de 12,3”.

Sob o capot, uma gama de motorizações revista, para mais facilmente baixar consumos e, por tabela, reduzir emissões. A micro-hibridização é a tónica desta actualização do A4, com a Audi a optar por blocos de quatro cilindros e dois litros de cilindrada, a gasolina e diesel, excepção feita no caso do mais potente S4 TDI (V6 de 3 litros com 374 cv).

15 fotos

A oferta a gasolina arranca com o 35 TFSI de 150 cv, acoplado a uma transmissão manual de seis velocidades. Acima posiciona-se o 40 TFSI (190 cv com caixa automática S tronic de sete velocidades e dupla embraiagem) e o 45 TFSI de 245 cv, também com a S tronic. Qualquer um destes blocos é apoiado por uma tecnologia híbrida ligeira, com um sistema eléctrico de 12V e uma bateria de iões de lítio, que se encontra sob a bagageira. Segundo a Audi, com este apoio eléctrico, o consumo pode baixar até 0,3 litros/100 km.

As unidades a gasóleo são sempre associadas à acima referida S tronic, excepção feita para o já mencionado S4 TDI, dotado com uma caixa automática tiptronic de oito relações com conversor de binário. Simultaneamente, esta versão é a única diesel que usufruiu de uma solução mild hybrid. Mas, neste caso, com um sistema eléctrico a 48V e uma bateria de 0,5kWh para que, além das funções de motor de arranque e de gerador, possa impulsionar o compressor eléctrico integrado no motor desta versão. A poupança, em termos de combustível, está estimada em 0,4 litros por cada 100 km, de caordo com as informações avançadas pela marca dos quatro anéis.

5 fotos