Cabo Verde

Cabo Verde. Caravelas-portuguesas dão à costa

131

O aumento da temperatura no mar e as fortes correntes dos últimos dias podem explicar o aparecimento da espécie na praia de Kebra Canela. Ambientalistas alertam para cuidados a ter.

A caravela-portuguesa, semelhante a alforreca, pode também chegar a outras praias e ilhas de Cabo Verde

CHRISTOPHER BERKEY/EPA

Caravelas-portuguesas deram esta semana à costa em praias de Cabo Verde, alertou uma associação ambientalista, indicando que o fenómeno acontece devido ao mar revolto e às correntes que se fizeram sentir nos últimos dias.

O Movimento Contra a Poluição em Cabo Verde (MCPCV) referiu que a espécie surgiu na praia de Kebra Canela, na cidade da Praia, no último domingo, mas alertou que também pode estar em outras praias das ilhas cabo-verdianas. “Venho por este meio alertar os banhistas e nadadores para terem atenção com o aparecimento da espécie caravela-portuguesa nas nossas praias”, escreveu o movimento ambientalista na sua página no Facebook, ilustrando a publicação com fotos da espécie na praia de Kebra Canela.

De nome científico Physalia physalis, o organismo gelatinoso apresenta um flutuador em forma de “balão” de cor azul e, por vezes, de tons lilás e rosa.

O grupo aconselhou os banhistas e nadadores a não tocarem nesta espécie, mesmo quando aparenta estar morta na praia. “Os seus tentáculos têm uma cor bastante atrativa, azul, lilás ou rosa, e mudam de tonalidade. As pessoas e as crianças que não a conhecem podem ir brincar ou apanhá-las”, alertou. Em caso de contacto com os tentáculos de uma caravela-portuguesa, a zona afetada deve ser bem limpa com água do mar e devem ser retirados quaisquer pedaços de tentáculos que possam ter ficado presos na pele, explicou o MCPCV. “Além destes cuidados pode ainda ser aplicado vinagre e bandas quentes”, acrescentou a organização, recomendando que se procure assistência médica.

Há um ano, a associação ambientalista cabo-verdiana Biosfera I também informou que centenas de caravelas-portuguesas deram à costa das ilhas de Santa Luzia e São Vicente.

Os ambientalistas referem que a espécie aquática parecida com a alforreca tende a aparecer com maior incidência devido ao aumento da temperatura dos oceanos.

A Autoridade Marítima Nacional (AMN) portuguesa descreve a caravela-portuguesa como um organismo que vive na superfície do mar graças ao seu flutuador cilíndrico, azul-arroxeado, cheio de gás, cujos tentáculos podem atingir os 30 metros, sendo o seu veneno muito perigoso.

Na terça-feira, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) alertou para o aparecimento da espécie em toda a costa de Portugal, incluindo Açores e Madeira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)