Venezuela

Governo e oposição venezuelanos na Noruega para debaterem solução para crise política

Altos membros do governo e da oposição venezuelana vão estar envolvidos em discussões exploratórias, em Oslo, na Noruega, sobre uma solução para a crise política no país.

Rául Martínez/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Representantes do governo e da oposição venezuelana viajaram até à Noruega para participarem em conversas exploratórias sobre uma solução para a crise política no país, noticiou na quarta-feira a agência de notícias Associated Press (AP).

Membros da Assembleia Nacional (AN), controlada pela oposição na Venezuela, que pediram para não serem identificados, adiantaram à AP que altos membros de ambos os lados vão estar envolvidos nas discussões em Oslo.

As mesmas fontes indicaram que os representantes incluem o ministro da Informação venezuelano, Jorge Rodriguez, e Stalin Gonzalez, um dos principais membros da AN.

O Presidente de facto venezuelano, Nicolas Maduro, não abordou diretamente este assunto em declarações transmitidas na televisão, na quarta-feira, mas deu conta que o ministro da Informação estava numa missão “muito importante” fora da Venezuela.

A crise política na Venezuela agravou-se a 23 de janeiro, quando o líder da AN, Juan Guaidó, jurou assumir funções de presidente interino, formar um governo de transição e organizar eleições livres, contando com apoio de mais de 50 países.

Na madrugada de 30 de abril, um grupo de militares manifestou apoio a Juan Guaidó, que pediu à população para sair à rua e exigir uma mudança de regime. Nicolás Maduro, no poder desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado.

À crise política na Venezuela soma-se uma grave crise económica e social, que já levou mais de 2,3 milhões de pessoas a emigrarem desde 2015, de acordo com dados da ONU.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A hipocrisia da política de sanções /premium

José Milhazes

A Europa perdoou à Rússia a agressão à Ucrânia, a invasão da Geórgia em 2018 e dá mais uma prova de “misericórdia” em 2019. A que se deverá este acto que traz à memória o famigerado Acordo de Munique?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)