Rádio Observador

Família Real Britânica

Incenso, meditação e cruzes. A história de um retrato tão acidental quanto icónico de Isabel II

Foi em 2004 que Chris Levine assinou um dos seus trabalhos mais memoráveis, um resultado imprevisível cujos meandros foram agora partilhados pelo fotógrafo, em vésperas de uma mostra.

Uma “experiência surreal”. Foi assim que o artista Chris Levine resumiu à revista Tatler esse encontro único com a soberana britânica que resultou numa das imagens mais icónicas de Isabel II. Um trabalho recheado de casualidades, e que contou com uma série de detalhes na sua preparação — tudo para criar ambiente e deixar a modelo mais à vontade.

Foi em 2004 que Levine foi incumbido pelo Jersey Heritage Trust de conceber um retrato da monarca, no sentido de marcar os 800 anos de uma aliança entre a ilha de Jersey, situada entre Inglaterra e França, e a Coroa. “Equanimity” foi o título escolhido para acompanhar a inusitada obra, que em 2011 seria apresentada ao público na National Portrait Gallery. No ano seguinte, prestou-se a uma nova interpretação, agora sob o rótulo “The Diamond Queen”, que incluiu mais de mil diamantes, numa parceria com a os mestres joalheiros londrinos Asprey. A imagem surgiria ainda num selo e numa nota de Jersey em formato holográfico.

A série “Equanimity” compreende ainda um dos momentos mais inesperados, aquele em que a rainha surge de olhos fechados, um trabalho que acabou por passar à posteridade com o título de ‘Lightness of Being’. Mas o mais curioso é agora revelado pelo fotógrafo, que confessou ter recorrido a incenso no estúdio, comprado numa loja do Soho para compor o ambiente em estúdio, entre outros pormenores.

Uma imagem do cartaz da exposição na National Portrait Gallery, em Londres, em 2012

Foi numa das inúmeras divisórias do palácio Buckingham que decorreu a sessão em causa, “convertida numa Tardis”, numa alusão à popular máquina do tempo da série Dr Who. “Tinha as cortinas para baixo, incenso a queimar e um crucifixo ultravioleta que lhe pedi para fixar enquanto tirava as fotos. Quis transportá-la para uma outra dimensão”.

O artista trabalhou em parceria com a stylist pessoal de Isabel II, Angela Kelly, de forma a chegarem ao look perfeito para obter este efeito. “Perguntaram-me se precisava mesmo da coroa. Parece que na altura havia um problema de segurança porque George Bush estava instalado no palácio…ainda bem que disse que sim”.

Levin recorda em particular a imagem que surgiu totalmente fruto do acaso, devido ao excesso de luz, e que o fotógrafo haveria de descobrir no seu disco rígido apenas uns anos mais tarde depois dessa data. “Em trinta segundos apliquei um filtro e aquilo saltou-me imediatamente à vista. Teve de facto um impacto por todo o mundo”. Para a história passa também o uso de um dos instantes desta série na capa da revista Time, em 2012.

Em conversa com a imprensa na loja de luxo Fortnum and Mason, onde a imagem estará exposto até 6 de junho, juntamente com retratos de Kate Moss ou Paul Smith, o fotógrafo conta ainda como apostou na meditação para promover uma sensação de tranquilidade.

Chris estuda técnicas científicas para aplicar as lições em peças únicas como esta. Quanto a trabalhos futuros, podem contar com uma espetáculo de luz e laser para a edição 2020 do famoso Festival de Glastonbury.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mrsilva@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)