Óbito

Morreu I. M. Pei, o arquiteto da pirâmide do Louvre. Tinha 102 anos

2.276

O arquiteto de origem chinesa e americana morreu na noite desta quarta-feira, aos 102 anos, confirmou o seu filho, Chien Chung Pei. A sua obra mais conhecida é a pirâmide de vidro do Louvre, em Paris.

I. M. Pei nasceu em Guangzhou, foi criado em Hong Kong e Xangai, mas em 1935 deixou a Ásia e mudou-se para os Estados Unidos

Getty Images

Morreu Ieoh Ming Pei (mais conhecido por I. M. Pei), o arquiteto americano de origem chinesa conhecido principalmente por ter desenhado a pirâmide do Louvre, em Paris. O arquiteto morreu na noite desta quarta-feira, aos 102 anos, confirmou o seu filho, Chien Chung Pei, ao The New York Times.

Pei nasceu em Guangzhou, foi criado em Hong Kong e Xangai, mas em 1935 deixou a Ásia e mudou-se para os Estados Unidos, onde esteve na escola de arquitetura da Universidade da Pensilvânia e, posteriormente, pediu transferência para o Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Depois deste percurso, o arquiteto continuou os estudos e entrou na Universidade de Harvard. Em 1948, o Pei foi contratado por William Zeckendorf, entrando assim no negócio imobiliário de Nova Iorque.

Sete anos depois, quis seguir o seu próprio caminho e fundou a empresa independente de design IM Pei & Associates. No total, o arquiteto desenhou quase 50 projetos a nível mundial, muitos dos quais acabaram premiados. Em 1983, Pei venceu o Prémio Pritzker — o Nobel da Arquitetura.

As suas obras mais conhecidas estão em Washington e Paris: o edifício Leste do Museu Nacional de Arte e a pirâmide de vidro que serve como entrada para o Museu do Louvre. Esta última partiu de um convite que recebeu para o projeto de ampliação do edifício, numa construção inspirada nos modelos egípcios.

Além destas duas obras. I.M.Pei esteve também na origem da construção da biblioteca memorial Kennedy, em Boston, em 1971, e o Banco da China, em Hong Kong, em 1989. Foi também ele que desenhou o anexo que acolhe os arquivos do Museu da História de Berlim.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)