Rádio Observador

Presidência da República

MP pede julgamento de ex-diretor do Museu da Presidência da República

Diogo Gaspar é acusado de vários crimes: abuso de poder, participação económica em negócio, falsificação de documento, peculato, tráfico de influência e branqueamento de capitais.

Ant

Autor
  • Agência Lusa

O Ministério Público (MP) pediu, esta quarta-feira, o julgamento do antigo diretor do Museu da Presidência da República Diogo Gaspar, por abuso de poder, participação económica em negócio, falsificação de documento, peculato, tráfico de influência e branqueamento de capitais.

Nas suas alegações no debate instrutório da “Operação Cavaleiro”, que tem quatro arguidos, o procurador do MP disse que mantinha a acusação nos exatos termos, dado que “o relato da acusação revela um conjunto de factos atentatórios e criminosos” e que o arguido devia ser pronunciado pelos mesmos.

O procurador enumerou uma série de provas testemunhais e documentais que, em seu entender, sustentam a acusação destes crimes económico-financeiros contra Diogo Gaspar.

Relatou as relações entre Diogo Gaspar e os restantes arguidos, Paulo Jorge Duarte, José Lourenço Dias e Vitor Luís Santos, seus amigos e donos de empresas, e falou em “conluio” para alcançarem vantagens patrimoniais.

Entende o MP que, em muitas práticas de Diogo Gaspar, não se vislumbrou uma “prática racional nem uma preocupação com o interesse público, mas sim em interesse próprio e dos amigos”.

As provas documentais e testemunhais revelam “uma conjugação de vontades no sentido da participação de Vitor Santos para a aquisição de espólio de bens móveis do palácio da Cidadela”, em Cascais, diz ainda o Ministério Público.

Em relação ao arguido José Dias, o procurador diz ter sido provado que o ex-diretor do Museu da Presidência “permitiu que o amigo recebesse dividendos monetários e que o próprio Diogo Gaspar tirou benefícios para si próprio”.

Está suficientemente indiciado que, entre 2004 e 2016, o arguido que exercia funções no Museu da Presidência da República utilizou a sua posição, funções e atribuições e para obter vantagens patrimoniais e não patrimoniais indevidas, em seu benefício e de terceiros”.

O Ministério Público exige a perda a favor do Estado de cerca de 7,8 mil euros, quantia que diz ter sido indevidamente recebida por Diogo Gaspar.

O processo tem como assistente a Secretaria-Geral da Presidência da República que validou a acusação do MP e também pediu a pronúncia de Diogo Gaspar, alegando que “criou uma teia, uma rede, para tirar proveitos”, de mais de dois milhões de euros e que não protegeu o interesse público de diverso património cultural.

Diogo Gaspar foi detido em junho de 2016 e a acusação data de maio de 2018.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)