Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Novo Banco colocou à venda grandes créditos mediáticos em situação de incumprimento, noticia esta quinta-feira o Eco. O malparado (dívidas por pagar) está avaliado em 3,5 mil milhões de euros e a carteira inclui devedores mediáticos em incumprimento como José Veiga, Nuno Vasconcellos e Joaquim Oliveira.

O banco liderado por António Ramalho colocou o malparado no mercado numa tentativa de continuar a limpar o balanço de ativos tóxicos. As autoridades bancárias exigem ao Novo Banco a redução do rácio de malparado para um nível inferior a 5% do total do crédito.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/lucros-do-novo-banco/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”162″ slug=”lucros-do-novo-banco” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/lucros-do-novo-banco/thumbnail?version=1551897256857&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

A lista do “Projeto Nata 2” inclui devedores que são conhecidos publicamente por estarem ligados à construção e imobiliário.

Segundo avança o Eco, já há interessados na compra destas dívidas: Bain, KKR e Davidson Kempner foram as entidades que passaram à segunda fase do concurso.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A operação está a ser liderada pela Alantra, investidora que tem assessorado o o Novo Banco em transações semelhantes. O banco conta ainda com o apoio da auditora KPMG. A operação ocorre numa altura em que o Parlamento está a discutir os créditos ruinosos que a CGD concedeu nos últimos anos, como a Vale do Lobo, Joe Berardo ou Manuel Fino.