Coreia do Norte

Presidentes dos EUA e da Coreia do Sul reúnem-se em junho em Seul

Donald Trump e Moon Jae-In vão reunir-se em Seul, para discutir a questão nuclear norte-coreana, atualmente num impasse. O anúncio foi feito pela Casa Branca.

JIM LO SCALZO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os presidentes dos EUA e da Coreia do Sul vão reunir-se em junho, em Seul, para discutir a questão nuclear norte-coreana, atualmente num impasse. O anúncio foi feito pela Casa Branca na quarta-feira.

Este será o segundo encontro entre os dois chefes de Estado desde o fracasso da segunda cimeira entre o Presidente norte-americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em fevereiro, em Hanói, no Vietname.

A visita de Trump fará parte da viagem ao Japão, onde se realiza uma cimeira do G20 nos dias 28 e 29 de junho.

Os dois líderes “vão prosseguir a coordenação estreita dos esforços para alcançar a completa e totalmente verificável desnuclearização da República Popular Democrática da Coreia”, informou a Casa Branca, sem especificar uma data.

Além da Coreia do Norte, Trump e Moon “também vão discutir formas de fortalecer a aliança EUA-Coreia do Sul e a amizade entre os dois povos”, acrescentou a Casa Branca na mesma nota.

Eleito há dois anos, Moon, que sempre defendeu o diálogo com a Coreia do Norte, foi um dos grandes responsáveis pela aproximação entre as Coreias desde o ano passado, e por um clima de desanuviamento das tensões internacionais em relação ao regime norte-coreano e que possibilitou mesmo duas cimeiras históricas entre Trump e Kim.

Aliados, Seul e Washington demonstram por vezes falta de sintonia sobre a melhor abordagem a Pyongyang. Uma divergência ilustrada no modo como a Coreia do Sul apresentou o próximo encontro entre os dois líderes.

Em comunicado, a presidência sul-coreana adiantou que os dois líderes vão debater “o estabelecimento de um regime de paz duradouro através da completa desnuclearização da península coreana”, e não apenas da Coreia do Norte.

A “desnuclearização da península coreana” foi o termo usado na declaração conjunta assinada por Trump e Kim na primeira cimeira, em junho passado, em Singapura.

Uma expressão mais vaga que se presta a interpretações, sobretudo num processo diplomático entre Washington e Pyongyang que ficou marcado por um impasse nos últimos meses por causa de um desentendimento precisamente sobre o significado desse termo.

A Coreia do Norte argumentou que a desnuclearização inclui a retirada do ‘guarda-chuva’ nuclear dos EUA e das 28.500 tropas norte-americanas estacionadas na Coreia do Sul.

O anúncio foi feito uma semana depois de Pyongyang ter lançado dois mísseis de curto alcance, a segunda operação militar em menos de uma semana e a primeira vez em no último ano e meio.

A segunda cimeira entre o Presidente dos EUA e o líder norte-coreano acabou bruscamente em Hanói devido à incapacidade de ambas as partes acertarem as concessões que Pyongyang teria que fazer em troca do levantamento das sanções internacionais.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)