Rádio Observador

Coreia do Norte

Presidentes dos EUA e da Coreia do Sul reúnem-se em junho em Seul

Donald Trump e Moon Jae-In vão reunir-se em Seul, para discutir a questão nuclear norte-coreana, atualmente num impasse. O anúncio foi feito pela Casa Branca.

JIM LO SCALZO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os presidentes dos EUA e da Coreia do Sul vão reunir-se em junho, em Seul, para discutir a questão nuclear norte-coreana, atualmente num impasse. O anúncio foi feito pela Casa Branca na quarta-feira.

Este será o segundo encontro entre os dois chefes de Estado desde o fracasso da segunda cimeira entre o Presidente norte-americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em fevereiro, em Hanói, no Vietname.

A visita de Trump fará parte da viagem ao Japão, onde se realiza uma cimeira do G20 nos dias 28 e 29 de junho.

Os dois líderes “vão prosseguir a coordenação estreita dos esforços para alcançar a completa e totalmente verificável desnuclearização da República Popular Democrática da Coreia”, informou a Casa Branca, sem especificar uma data.

Além da Coreia do Norte, Trump e Moon “também vão discutir formas de fortalecer a aliança EUA-Coreia do Sul e a amizade entre os dois povos”, acrescentou a Casa Branca na mesma nota.

Eleito há dois anos, Moon, que sempre defendeu o diálogo com a Coreia do Norte, foi um dos grandes responsáveis pela aproximação entre as Coreias desde o ano passado, e por um clima de desanuviamento das tensões internacionais em relação ao regime norte-coreano e que possibilitou mesmo duas cimeiras históricas entre Trump e Kim.

Aliados, Seul e Washington demonstram por vezes falta de sintonia sobre a melhor abordagem a Pyongyang. Uma divergência ilustrada no modo como a Coreia do Sul apresentou o próximo encontro entre os dois líderes.

Em comunicado, a presidência sul-coreana adiantou que os dois líderes vão debater “o estabelecimento de um regime de paz duradouro através da completa desnuclearização da península coreana”, e não apenas da Coreia do Norte.

A “desnuclearização da península coreana” foi o termo usado na declaração conjunta assinada por Trump e Kim na primeira cimeira, em junho passado, em Singapura.

Uma expressão mais vaga que se presta a interpretações, sobretudo num processo diplomático entre Washington e Pyongyang que ficou marcado por um impasse nos últimos meses por causa de um desentendimento precisamente sobre o significado desse termo.

A Coreia do Norte argumentou que a desnuclearização inclui a retirada do ‘guarda-chuva’ nuclear dos EUA e das 28.500 tropas norte-americanas estacionadas na Coreia do Sul.

O anúncio foi feito uma semana depois de Pyongyang ter lançado dois mísseis de curto alcance, a segunda operação militar em menos de uma semana e a primeira vez em no último ano e meio.

A segunda cimeira entre o Presidente dos EUA e o líder norte-coreano acabou bruscamente em Hanói devido à incapacidade de ambas as partes acertarem as concessões que Pyongyang teria que fazer em troca do levantamento das sanções internacionais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)