Brasil

Brasil. Jair Bolsonaro responsabiliza Partido dos Trabalhadores por situação económica do país

170

Bolsonaro tem anunciado cativações nos orçamentos de várias áreas, incluindo a educação. Esta medida causou protestos contra o executivo. Bolsonaro fala em "desgoverno" do PT.

O presidente brasileiro defendeu a contenção de gastos como solução para a crise económica

Antonio Lacerda/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, afirmou esta sexta-feira que a crise económica que o país atravessa, e que levou o seu Governo a adotar políticas de contenção de gastos, é uma “herança dos rombos causados pelo Partido dos Trabalhadores”.

Temos trabalhado de modo a conter esses problemas (económicos), que são herança dos rombos causados pelo desgoverno do Partido dos Trabalhadores (PT), e manter, na medida do possível, o destino dos recursos para áreas essenciais, mesmo com pouco dinheiro em caixa, mas existe uma realidade e não podemos extrapolá-la”, escreveu o chefe de Estado do Brasil nas redes sociais.

Bolsonaro declarou ainda que a atualidade brasileira serve para “mostrar o quão grave são as consequências de um governo socialista, populista e completamente corrupto”, acrescentando que “a conta sempre chega e os seus efeitos são sentidos durante anos”.

O executivo brasileiro anunciou nas últimas semanas uma série de cativações nos orçamentos de várias áreas. No entanto, foram os bloqueios na Educação que geraram uma maior contestação.

Milhares de pessoas protestaram na quarta-feira nas ruas de mais de 170 cidades do Brasil contra o bloqueio de verbas destinadas às universidades e colégios públicos do país. As manifestações ocorreram nas 27 capitais estaduais do Brasil e também em pequenos municípios onde estudantes, professores e elementos de movimentos sociais foram às ruas para expressarem o seu descontentamento face ao anúncio de cativações de 30% nas verbas atribuídas às instituições de ensino mantidas pelo Governo central. Esta foi a primeira demonstração pública de oposição ao Governo do presidente do Brasil, que tomou posse em 1 janeiro.

Porém, Bolsonaro voltou esta sexta-feira a defender a contenção de gastos como solução para a crise económica do país sul-americano, afirmando que aqueles que “fingem não entender essa lógica, agem como abutres”. “Há somente dois caminhos para evitar contingenciamento de gastos: ou imprime-se dinheiro e gera-se inflação, ou comete-se um crime de responsabilidade fiscal. Quem finge não entender essa lógica age como um abutre, aguardando ansiosamente pelo mal do Brasil para então se alimentar dele”, concluiu o governante.

Em abril, o Ministério da Educação anunciou a cativação nas universidades federais brasileiras seria de 1,7 mil milhões de reais (380 milhões de euros), o correspondente a 3,43% do orçamento dedicado a estas instituições. Também no mês passado, o Governo brasileiro bloqueou 5,8 mil milhões de reais (1,3 mil milhões de euros) do orçamento do Ministério da Defesa, valor que representa 44% do orçamento para despesas não obrigatórias do setor.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)