Donald Trump

EUA. Democrata Joe Biden é o alvo preferido dos ataques na corrida às presidenciais

O ex-vice-presidente de Barack Obama é o candidato mais forte para enfrentar Trump nas presidenciais de 2020. Joe Biden tem sido o alvo preferido do Presidente dos EUA e do candidato Bernie Sanders.

Segundo as sondagens, o candidato democrata Joe Biden é o principal adversário de Trump

CJ GUNTHER/EPA

Joe Biden, o candidato democrata mais bem posicionado, segundo as sondagens, para enfrentar o republicano Donald Trump nas eleições presidenciais dos EUA em 2020, tem o seu primeiro grande comício no sábado, enfrentando ataques de ambos os partidos.

Com o anúncio da candidatura de Steve Bullock, governador do Estado de Montana, o Partido Democrata atingiu o recorde de, para já, 22 candidatos nas primárias que vão escolher o candidato que deverá enfrentar Donald Trump nas eleições presidenciais de 2020.

Mas apesar desta pulverização de soluções democratas, o ex-vice-presidente de Barack Obama parece ser o alvo preferido dos ataques dos principais candidatos de ambos os partidos, após a sua entrada na corrida presidencial, em 25 de abril passado, depois de meses de hesitações e recuos.

O senador Bernie Sanders, que se recandidata nas primárias do Partido Democrata, escolheu Joe Biden como segundo principal alvo das suas críticas de campanha, logo a seguir a Donald Trump, acusando-o pelas suas posições passadas sobre os acordos de livre comércio e sobre a guerra no Iraque.

Também Donald Trump tem centrado as suas críticas contra o Partido Democrata em Joe Biden, a quem chama “Sleepy Joe Biden” (“dorminhoco Joe Biden”), na sua tática de tentar depreciar os seus adversários com alcunhas.

Trump tem-se servido de posições passadas de Biden sobre acordos comerciais, quando era vice-presidente de Barack Obama, para atacar o Partido Democrata a propósito da guerra comercial que opõe os EUA à China, há mais de um ano.

“A China sonha que o dorminhoco Joe Biden, ou algum outro, seja eleito em 2020”, escreveu Donald Trump na sua conta pessoal da rede social Twitter, no passado domingo.

Em várias ocasiões, o Presidente, que é de novo candidato presidencial republicano, tem mencionado o nome de Joe Biden, para atacar os seus adversários democratas.

A direção de campanha de Joe Biden já reconheceu que esses ataques nominais de Trump são a melhor ajuda que o antigo vice-presidente poderia receber, porque lhe dá notoriedade e o eleva à condição de principal candidato democrata.

Essa admissão dos estrategos de Biden já levaram responsáveis do Partido Republicano a lamentar as opções de Trump.

“Numa eleições primárias democratas, ataques do Presidente Trump são a melhor prenda que poderiam dar a Joe Biden”, disse esta semana Matt Gorman, antigo responsável por campanhas do Partido Republicano, ao jornal The New York Times.

Mas também do lado democrata, Joe Biden tem recebido destaque por parte de vários candidatos, que não escondem o desconforto por verem a chegada tardia da candidatura do ex-vice-presidente Obama permitir-lhe subir ao primeiro lugar das sondagens para as primárias.

Bernie Sanders, que se volta a candidatar e que as sondagens colocam em segundo lugar para as primárias do Partido Democrata, tem centrado as suas críticas em Donald Trump, como seria de esperar, mas também não tem poupado Joe Biden.

Sanders, que representa uma fação mais radical e de esquerda no Partido Democrata, tem criticado Biden por ser o rosto do “sistema” e do “aparelho de Washington”, dizendo que com as suas posições passadas fragiliza-se, a si e ao seu partido, perante os Republicanos.

Bernie Sanders diz que Biden está “no meio termo”, entre republicanos e democratas, desfavorecendo a disputa contra Donald Trump, nomeadamente em temas sensíveis e muito visíveis, como as alterações climáticas, os acordos comerciais ou a presença norte-americana no Médio Oriente.

Por seu lado, Biden tem procurado não mencionar o nome de nenhum dos outros 21 candidatos democratas e os seus estrategos de campanha dizem que no comício de sábado, em Filadélfia, voltará a centrar todas as suas críticas em Donald Trump e nas opções políticas do Partido Republicano.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)