Rádio Observador

Eurogrupo

Europeias. Apenas PS e PDR são entusiastas da continuidade de Mário Centeno no Eurogrupo

Das 17 listas concorrentes às eleições de 26 de maio, só o Partido Socialista e o Partido Democrático Republicano são a favor da permanência de Mário Centeno na presidência do Eurogrupo.

Para o PS é "absolutamente natural" a continuidade de Mário Centeno no Eurogrupo

ARIS OIKONOMOU/EPA

A maioria dos partidos que concorrem às eleições europeias não apoia a atuação e manutenção de Mário Centeno na presidência do Eurogrupo e só o PS e o PDR são entusiastas da sua continuidade no cargo.

Estas posições foram assumidas em resposta a um questionário que a agência Lusa enviou às 17 listas concorrentes às eleições de 26 de maio para o Parlamento Europeu, ao qual PNR, PTP e PURP não responderam, este último em protesto pelo tratamento desigual que alega receber da comunicação social.

O atual ministro das Finanças português foi eleito presidente do Eurogrupo em 04 de dezembro de 2017, para um mandato de dois anos e meio, e iniciou funções em 13 de janeiro de 2018. Antes, este órgão informal da área do euro foi presidido pelo luxemburguês Jean-Claude Juncker, de 2005 a 2013, e depois pelo holandês Jeroen Dijsselbloem.

Perante a questão se “pensa ser importante que Mário Centeno cumpra um segundo mandato como presidente do Eurogrupo”, a candidatura do PSD, liderada por Paulo Rangel, começa por ressalvar que “uma presidência de um órgão europeu, mesmo informal, como o Eurogrupo, quando exercida com competência, é sempre prestigiante para Portugal”.

Porém, para o PSD, a prestação de Centeno “tem sido frouxa e dececionante” em domínios como a união bancária ou capacidade orçamental da zona euro e “o balanço é, por isso, negativo”. Além disso, se o presidente do Eurogrupo continuar a ser um ministro em funções, “como o PSD espera e deseja vencer as legislativas de outubro, não faria sentido a sua recondução”, argumentam os sociais-democratas.

Em contraste, o PS, que tem Pedro Marques como cabeça de lista, sustenta que Centeno foi eleito com o “capital de credibilidade” de quem demonstrou que “existia alternativa à austeridade”, acrescentando: “É absolutamente natural que a escolha se mantenha, agora que as políticas que implementámos em Portugal começam a ser implementadas na Europa”.

O cabeça de lista do Partido Democrático Republicano (PDR), António Marinho e Pinto, entende que “Mário Centeno está ser um bom presidente do Eurogrupo e, simultaneamente, um bom ministro das Finanças em Portugal”, que no plano interno “conseguiu fazer a circulatura do quadrado em termos de finanças públicas”, pelo que “seria uma boa notícia” para o país a sua continuidade neste órgão europeu.

A lista da CDU, encabeçada por João Ferreira, do PCP, considera que ter Centeno à frente do Eurogrupo “não representa uma decisão positiva para a defesa dos interesses do país”, pois impõe-se “uma política que liberte Portugal da submissão ao euro e às imposições da União Europeia”.

Marisa Matias, número um da lista do Bloco de Esquerda (BE), também não vê benefícios para Portugal em “ter um presidente português no Eurogrupo” e acusa Centeno de ser “um defensor da política de austeridade”, com “inúmeras contradições”, concluindo: “Não vejo nenhuma vantagem em se manter uma contradição permanente”.

Por sua vez, o cabeça de lista do CDS-PP, Nuno Melo, declarou: “Penso que o importante é ter um presidente do Eurogrupo capaz. Se puder ser português, melhor. Mas essencial é a competência”.

Para o Livre, que tem Rui Tavares como primeiro candidato, “um eventual segundo mandato de Mário Centeno apenas será importante se o Governo português e o ministro das Finanças estiverem comprometidos desde logo com a democratização desta instituição e por outro lado em completar a união bancária, reformar a zona euro e em renegociar a dívida pública dos países do sul”.

O cabeça de lista do recém-formado Aliança, Paulo Sande, afirmou: “A dose de esquizofrenia política que tem acompanhado o exercício dessas funções por parte do ministro das Finanças, quiçá inevitável, não parece aconselhar que isso suceda”.

A candidatura do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), encabeçada por Francisco Guerreiro, admite que “pode ser relevante” manter o atual ministro das Finanças à frente do Eurogrupo, mas considera que “a atuação de Mário Centeno tem sido insuficiente”, pedindo “um debate real” em torno de problemas como a dívida, a destruição dos ecossistemas e a redistribuição da riqueza.

A coligação Basta!, encabeçada por André Ventura, defende que “Centeno não é um grande ministro nem um grande político”, mas que “é sempre melhor ter um português em lugares de destaque do que um holandês que diz que Portugal é só para bom tempo e consumo de álcool” – numa alusão a Jeroen Dijsselbloem.

Ricardo Arroja, número um da lista da Iniciativa Liberal, manifestou-se contra a continuidade de Mário Centeno: “Não. O cargo não traz qualquer benefício ao país, apenas suporta a propaganda política do PS”. Assim como Paulo de Morais, cabeça de lista do Nós, Cidadãos!, que respondeu simplesmente: “Não”.

“No que depender do PCTP/MRPP e dos operários e trabalhadores portugueses e europeus, estamos em crer que a vontade é de correr com tal personagem e impor o desmantelamento da União Europeia e estruturas como o Eurogrupo”, foi a resposta deste partido, favorável à saída de Portugal da União Europeia e do euro, que tem Luís Júdice como primeiro da sua lista.

Opondo-se à política orçamental “de défice 0%”, o Movimento Alternativa Socialista (MAS), com uma lista liderada por Vasco Santos, rejeita igualmente que ter Centeno na presidência do Eurogrupo favoreça o país: “Importante, só se for para ele. Para Portugal não é com certeza, tal como experienciámos quando Durão Barroso foi presidente da Comissão Europeia”.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)