Itália

Europeias: Salvini quer uma União Europeia que restaure poder de decisão dos Estados-membros

Matteo Salvini disse que a aliança nacionalista parlamentar que pretende formar após as eleições visa criar uma Europa “que faz poucas coisas e que as faz bem”, restaurando o poder de decisão.

RICCARDO ANTIMIANI/EPA

O vice-primeiro-ministro de Itália, Matteo Salvini, afirmou esta sexta-feira que deseja uma União Europeia, após as eleições da próxima semana, que consiga restaurar o poder de decisão dos Estados-membros em setores como comércio, agricultura e banca.

O também líder da Liga (partido de extrema-direita) falava à imprensa estrangeira em Milão (norte de Itália), na véspera da realização de um comício naquela cidade que irá reunir no sábado 12 partidos nacionalistas europeus, incluindo o francês União Nacional de Marine Le Pen e o Alternativa para a Alemanha (AfD). Nas mesmas declarações, e em plena campanha eleitoral, o político prometeu novas propostas de “choque” para relançar a economia italiana.

Salvini, que também assume o cargo de ministro do Interior italiano, disse que a aliança nacionalista parlamentar que pretende formar após as eleições europeias (realizadas de 23 a 26 maio nos 28 países da União Europeia) visa criar uma Europa “que faz poucas coisas e que as faz bem”, restaurando o poder de decisão dos Estados-membros sobre setores como comércio, agricultura e banca.

Matteo Salvini declarou ainda que as questões mais importantes que estão em jogo nas eleições europeias estão relacionadas com a segurança e o emprego.

As projeções indicam que a futura aliança de nacionalistas poderá tornar-se na terceira força política no futuro Parlamento Europeu. No caso concreto da Liga, as projeções apontam para a possível eleição de 26 eurodeputados, mais de quatro vezes mais do que os seis representantes que tem na atual assembleia europeia.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)