Incêndios

Incêndios. Risco máximo em quatro concelhos do distrito de Faro

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou quatro concelhos do distrito de Faro em "risco máximo" de incêndio. Esta sexta-feira prevê-se períodos de céu muito nublado com nuvens altas no Sul.

Risco máximo de incêndio no distrito de Faro

PAULO NOVAIS/LUSA

Os concelhos de São Brás de Alportel, Tavira, Castro Marim e Alcoutim, no distrito de Faro, apresentam esta sexta-feira risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O IPMA colocou também em risco muito elevado de incêndio os concelhos de Loulé (Faro), Almodóvar e Mértola (Beja), Abrantes, Mação e Sardoal (Santarém), Gavião e Nisa (Portalegre), Idanha-a-Nova e Vila de Rei (Castelo Branco).

Em risco elevado de incêndio estão mais de 40 outros concelhos dos distritos de Faro, Beja, Évora, Setúbal, Santarém, Castelo Branco, Guarda e Portalegre.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de “reduzido” a “máximo”, sendo o “elevado” o terceiro nível mais grave.

Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA prevê para esta sexta-feira no continente períodos de céu muito nublado, com nuvens altas na região Sul e possibilidade de ocorrência de aguaceiros fracos nas regiões Norte e Centro, em especial no litoral.

A previsão aponta também vento fraco a moderado de noroeste, sendo moderado a forte no litoral oeste, com rajadas até 60 quilómetros por ano (km/h), em especial durante a tarde.

Nas terras altas, prevê-se vento moderado a forte de noroeste, com rajadas até 75 km/h.

Está também prevista uma pequena descida de temperatura, em especial da máxima e no interior.

As temperaturas mínimas no continente vão oscilar entre os 04 graus Celsius (na Guarda) e os 13 (em Faro, Setúbal, Lisboa e Aveiro) e as máximas entre os 13 graus (na Guarda) e os 25 (em Faro).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)