Novo Banco

Novo Banco reduz prejuízo para 93,1 milhões

Novo Banco registou prejuízos de 93,1 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, uma melhoria face às perdas de 130,9 milhões de euros registado em 2018. Sem herança BES, resultado era positivo.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Novo Banco registou prejuízos de 93,1 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, uma melhoria face aos prejuízos de 130,9 milhões de euros registado no ano passado, foi divulgado esta sexta-feira.

“Em termos combinados o Novo Banco apresentou um prejuízo de 93,1 milhões de euros neste 1.º trimestre de 2019, em linha com o Plano Estratégico e com os compromissos assumidos com as Autoridades Europeias”, divulgou a instituição em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O banco presidido por António Ramalho indicou ainda que o negócio recorrente do banco registou um resultado líquido positivo de 85,4 milhões de euros antes de impostos, mas que o legado do banco, decorrente do antigo Banco Espírito Santo (BES), registou um prejuízo de 142,0 milhões de euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)