Rádio Observador

Síria

Amnistia interpela ONU sobre ataques do regime contra hospitais na Síria

180.000 pessoas ficaram deslocadas apenas nas últimas duas semanas, devido aos conflitos entre rebeldes e Governo. Vários hospitais e postos humanitários estão a ser atingidos pela guerra.

16 organizações humanitárias já suspenderam as suas operações na noroeste da Síria devido à violência dos conflitos

MOHAMMED BADRA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O regime sírio, apoiado pela Rússia, conduz um “assalto deliberado e sistemático” contra hospitais e estruturas médicas do noroeste da Síria, denunciou esta sexta-feira a Amnistia Internacional, que exortou a ONU a pôr termo a estes “crimes contra a humanidade”.

O Conselho de Segurança da ONU reúne-se esta sexta-feira para abordar a degradação da situação na província de Idleb, no noroeste sírio, onde o poder de Bashar al-Assad e a aviação russa efetuaram intensos bombardeamentos nas últimas semanas.

Os ataques concentraram-se em particular no sul de Idleb e no norte da região vizinha de Hama, territórios controlados pelo Hayat Tahrir al-Cham (HTS, o ex-ramo sírio da Al-Qaida), e outros grupos jihadistas.

“O Conselho de Segurança deve examinar os crimes contra a humanidade em Idleb”, assinala a Amnistia Internacional (AI) em comunicado, denunciando “um assalto deliberado e sistemático contra os hospitais e as instalações médicas” e apelando a “exercer pressão sobre a Rússia”.

Segundo a ONU, cerca de 18 estabelecimentos médicos ficaram inoperacionais desde abril. “Bombardear os hospitais é um crime de guerra”, regista a Amnistia Internacional. “Integra-se numa prática bem estabelecida dirigida a instalações médicas para atacar sistematicamente a população civil”, sublinha Lynn Maalouf, diretora de pesquisa sobre o Médio Oriente da Amnistia. “Exortamos os membros do Conselho de Segurança que se reúne hoje a fazer tudo o que estiver ao seu alcance para terminar com o assalto contra os civis em Idleb, e pedir contas aos responsáveis destes terríveis crimes”, frisa o comunicado.

Os ataques contra os hospitais decorreram à revelia de um mecanismo especial estabelecido pela ONU para tentar proteger os centros médicos, fornecendo aos beligerantes os dados de localização desses edifícios. “O pessoal de quatro hospitais em Idleb e em Hama indicaram à Amnistia Internacional que foram tomados por alvos quando os dados de localização foram partilhados com os governos sírio e russo”, denuncia o comunicado.

A AI recolheu o testemunho de diversos profissionais de saúde, incluindo uma enfermeira de um hospital em Kafranbel. “Transferimos os feridos para o subsolo. Registou-se um segundo raide que cortou a eletricidade, quando tentávamos estancar as hemorragias”, referiu a enfermeira, citada no comunicado. “De seguida, um terceiro e quatro raides”, prosseguiu.

O conflito na Síria, iniciado em 2011, já provocou mais de 370.000 mortos, milhões de refugiados e deslocados, e fragmentou o país.

ONG dizem que conflitos atingiram “ponto crítico”

Dezenas de grupos humanitários internacionais disseram esta sexta-feira que as condições do noroeste da Síria atingiram um “ponto crítico” e pediram o fim imediato dos combates.

Num apelo divulgado esta sexta-feira, os grupos indicaram que a violência causou cerca de 180.000 deslocados nas duas últimas semanas. Os confrontos entre os rebeldes e as forças governamentais, que eclodiram a 30 de abril, destruíram um cessar-fogo aplicado desde em setembro.

A violência forçou pelo menos 16 organizações humanitárias a suspenderem as suas operações na região, onde vivem três milhões de pessoas, adiantaram.

A organização não-governamental Médicos pelos Direitos Humanos disse que no último mês as forças do governo sírio e os seus aliados russos realizaram nove ataques a hospitais e outras instalações de saúde. Segundo os grupos, pelo menos quatro postos humanitários claramente identificados foram atingidos.

As tropas sírias e os seus aliados têm vindo a avançar no noroeste da província de Hama e no sul da de Idlib para tentar ocupar territórios ainda controlados pelos grupos insurgentes.

A escalada atual na região é a mais grave desde que Moscovo, aliado do regime, e Ancara, que apoia alguns grupos rebeldes, anunciaram em setembro de 2018 um acordo sobre uma “zona desmilitarizada”, que devia separar os territórios controlados pelos insurgentes das zonas governamentais e evitar uma ofensiva governamental na província de Idlib, o último grande bastião jihadista no país.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)