Transportes

Trotinetes elétricas chegam às universidades. Flash entra no campus da FCT em Almada

Entre o campus da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e as residências vão existir cerca de 10 pontos de partilha. Empresa entrou em Almada no mês passado.

Fundada em 2018, a Flash está presente em seis cidades portuguesas

Depois de anunciar a entrada em mais uma cidade portuguesa na terça-feira (Gondomar), a Flash chega a outros destinos. Esta sexta-feira, a startup de micromobilidade de origem alemã anunciou o início de operações dentro da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade Nova de Lisboa, em Almada, tornando-se na primeira empresa desta área a ter trotinetes elétricas a circular dentro do campus de uma universidade.

Em abril, a empresa tinha já iniciado a entrada na Costa da Caparica, também em Almada, decidindo alargar agora ao campus da FCT. Entre este campus e a área de residências universitárias vão existir cerca de 10 pontos de partilha das trotinetes elétricas, além dos nove pontos já existentes, anunciou a empresa em comunicado.

Segundo Dimas Pestana, presidente do conselho de administração da WeMob, a empresa municipal de mobilidade de Almada, “a expansão das operações da Flash para a FCT é um passo importantíssimo” em direção a uma “mobilidade sustentável e amiga do ambiente na cidade de Almada”. Em comunicado, a Flash sublinhou ainda a articulação com a autarquia e as autoridades “para perceber as necessidades da população, estudantes e dos turistas, de forma a oferecer as melhores soluções de mobilidade”.

Em apenas dois dias, já vários alunos testaram as trotinetes. Na verdade, a sua implementação tem proporcionado aos estudantes não só alguns momentos de lazer, mas também uma alternativa de deslocação entre a faculdade e a sua zona de residência, verificando-se até a concentração de algumas delas na zona circundante ao nosso campus“, sublinhou Pedro Horta, citado em comunicado.

Na sua frota, a Flash tem dois modelos de trotinetes, incluindo um criado e desenvolvido pela própria empresa, “com suspensões reforçadas, travões duplos, leds de sinalização e rodas maiores”, tendo também um suporte para o copo e carregador USB para o telemóvel.

Os preços de viagem nas trotinetes desta empresa são os mesmos cobrados na concorrência: um euro para desbloquear o veículo e 15 cêntimos por minuto de utilização. No entanto, e à semelhança do que já fez para as outras cidades, a empresa dá um desconto de 50% no desbloqueio para os utilizadores que estacionarem corretamente as trotinetes numa das zonas de partilha existentes e indicadas na sua app.

Para conseguir uma trotinete, o utilizador tem acesso a um mapa com os locais onde os veículos estão disponíveis, tendo o utilizador que fazer scan de um QR code para desbloquear o veículo. No final da viagem, o preço é descontado da conta do utilizador, ou seja, não precisa de ter um montante carregado antes. Através da app, os utilizadores podem ver quais são os pontos de estacionamento mais indicados para poderem deixar as trotinetes.

Fundada em 2018, a Flash recebeu recentemente uma ronda de financiamento série A no valor de 55 milhões de euros para expandir o seu mercado. Em Portugal, a empresa está presente em seis cidades: Faro, Lisboa, Coimbra, Maia, Almada e, mais recentemente, Gondomar e tem como concorrentes a Lime, a Voi, a Hive, a Tier, a Bungo, a Bird e a Frog.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)