Donald Trump

Trump pede apoio aos democratas para reforma da lei da imigração

"Todas as pessoas que vêm ilegalmente para os Estados Unidos agora serão expulsas mais tarde", garantiu Trump. O presidente quer colaborar com os democratas para garantir a aprovação do novo plano.

O novo plano de imigração pretende manter intacto o número de autorizações de residência permanente que os Estados Unidos concedem anualmente

MARTIN H. SIMON / POOL/EPA

O presidente norte-americano avisou esta sexta-feira, no Twitter, que “todas as pessoas que entram ilegalmente nos Estados Unidos acabarão por ser expulsas do país” e reclamou o apoio democrata para o seu plano de imigração.

Na quinta-feira, Donald Trump esboçou uma proposta de reforma migratória destinada a admitir no país mais trabalhadores qualificados e menos familiares de imigrantes. Num discurso feito na Casa Branca, Trump enumerou os objetivos de uma reforma do sistema legal de imigração, que ainda não foi articulado como projeto de lei e que dificilmente será aprovado por um Congresso dividido e em plena campanha para as eleições presidenciais de 2020. Os democratas têm maioria na Câmara de Representantes e os republicanos controlam o Senado.

“Os democratas deram-se agora conta que existe uma emergência nacional na fronteira, mas que, se trabalharmos juntos, pode resolver-se rapidamente”, escreveu Trump, numa série de mensagens na sua conta do Twitter. “Precisamos dos votos democratas para que tudo corra bem”, acrescentou.

“Os ‘homens maus’, e há muitos desses, estão a ser detidos e serão enviados de volta aos seus países”, adiantou Trump. “Todas as pessoas que vêm ilegalmente para os Estados Unidos agora serão expulsas mais tarde e enviadas de volta ao seu país, à medida que aumentamos as nossas forças policiais e mudamos as leis”, sublinhou Trump. “Por favor, não se sintam demasiado cómodos”, escreveu o Presidente, referindo-se sobretudo aos imigrantes indocumentados, a quem garantiu que se “irão imediatamente embora”.

A reforma da lei da imigração foi uma das grandes promessas de Donald Trump na sua campanha presidencial de 2016, centrada na construção de um muro ao longo da fronteira com o México.

A proposta revelada na quinta-feira visa manter intacto o número de autorizações de residência permanente que o país concede anualmente, mas mudar o perfil dos destinatários dos 1,1 milhões de green cards (autorizações de residência). O objetivo é aumentar dos atuais 12% para 57% a população de imigrantes que obtém essa residência permanente devido a talento, estudos ou trabalho, baixar de 66% para 33% os que a conseguem por laços familiares, e de 22% para 10% os que a obtêm por razões humanitárias.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)