Olhando para este Campeonato, há uma curiosidade que se destaca em relação a outros momentos de relevo, da derrota com o Portimonense que levou à saída de Rui Vitória e consequente entrada de Bruno Lage, aos 16 golos marcados na Luz contra as duas equipas madeirenses, Nacional (10-0) e Marítimo (6-0), passando ainda pelos recordes batidos por João Félix ao marcar logo no seu primeiro dérbi à veia ofensiva que entrou no top 3 dos ataques mais goleadores de sempre: o advento dos jovens da formação do clube, com cinco jogadores a sagrarem-se campeões quando estavam no ano passado ao serviço da equipa B (Ferro, Florentino Luís, Gedson Fernandes, João Félix e Jota). Mas esta é apenas uma das 37 histórias do Benfica campeão.

Houve o dia em que Eusébio, aos 30 anos, apontou um póquer ao Sporting de Yazalde e companhia. A tarde em que César Brito entrou nas Antas a dez minutos do final e decidir um encontro marcado pelo cheiro a bagaço no balneário dos encarnados. A noite em que João Vieira Pinto, menos de um ano depois de ter estado perto de reforçar o Sporting, decidiu o título com um hat-trick em Alvalade ainda na primeira parte. Memórias melhores, como o jogo de despedida de Valadas que permitiu a Peyroteo e Gaspar Pinto fazerem as pazes após anos de costas voltadas. Memórias piores e até mesmo trágicas, como o ano em que o título não trouxe festa pela dramática morte de Luciano meses antes. Este é um guia rápido dos 37 Campeonatos do Benfica.

1935/36

A fratura do pulso de Gaspar Pinto

1.º lugar com 21 pontos em 14 jogos (+1 do que o FC Porto)
Outros títulos:
Presidente:
Vasco Ribeiro
Treinador: Lipo Herczka
Capitão: Gustavo Teixeira
Mais jogos: Gustavo, Gatinho e Albino (13)
Goleador: Valadas (12 golos em 12 jogos)
Equipa tipo: Tavares; Gatinho, Gustavo; João Correia, Albino, Gaspar Pinto; Xavier, Rogério, Torres, Valadas e Vítor Silva
Curiosidade. A receção ao Carcavelinhos, com triunfo por 2-1, teve um pouco de tudo: três expulsões (Vítor Silva nas águias), a fratura do pulso de Gaspar Pinto que colocou o jogo 9×9 e um final mais cedo do esperado por engano do árbitro

1936/37

8-1 com hat-trick de Rogério

1.º lugar com 24 pontos em 14 jogos (+1 do que o Belenenses)
Outros títulos:
Presidente: Vasco Ribeiro/Manuel da Conceição Afonso
Treinador: Lipo Herczka
Capitão: Gustavo Teixeira
Mais jogos: Rogério e Valadas (14)
Goleador: Rogério (19 golos em 14 jogos)
Equipa tipo: Tavares; Vieira, Gustavo; Baptista, Albino, Gaspar Pinto; Xavier, Rogério, Domingos Lopes, Espírito Santo e Valadas
Curiosidade. Rogério falhou o primeiro penálti numa época, curiosamente naquela que foi uma das maiores goleadas da época: 8-1 ao V. Setúbal no Campo das Amoreiras… com hat-trick do mesmo Rogério

1937/38

21 golos em apenas dez jogos de Espírito Santo

1.º lugar com 23 pontos em 14 jogos (igual ao FC Porto)
Outros títulos:
Presidente: Manuel da Conceição Afonso
Treinador: Lipo Herczka
Capitão: Gustavo Teixeira
Mais jogos: Albino e Gaspar (14)
Goleador: Rogério (12 golos em 12 jogos)
Equipa tipo: Amaro; Vieira, Gustavo; Baptista, Albino, Gaspar Pinto; Xavier, Rogério, Domingos Lopes, Espírito Santo e Valadas
Curiosidade. Espírito Santo, um dos maiores avançados de sempre do clube que foi também recordista nacional no salto em altura, comprimento e triplo salto, conseguiu marcar 21 golos em apenas dez jogos para o Campeonato de Lisboa

1941/42

A inauguração do Campo Grande

1.º lugar com 38 pontos em 22 jogos (+4 do que o Sporting)
Outros títulos:
Presidente: Augusto da Fonseca
Treinador: Janos Biri
Capitão: Alfredo Valadas
Mais jogos: Martins e Valadas (22)
Goleador: Francisco Rodrigues (16 golos em 16 jogos)
Equipa tipo: Martins; Gaspar Pinto, Freire; César Ferreira, Albino, Francisco Ferreira; Nelo, Teixeira, Manuel Costa, Francisco Rodrigues e Valadas
Curiosidade. A época começou da melhor forma para o Benfica com um momento importante na história do clube: a inauguração do Campo Grande, com 20 mil espetadores a assistirem ao triunfo num particular com o Sporting por 3-2

1942/43

12-2 ao FC Porto

1.º lugar com 30 pontos em 18 jogos (+1 do que o Sporting)
Outros títulos: Taça de Portugal (V. Setúbal)
Presidente: Augusto da Fonseca
Treinador: Janos Biri
Capitão: Alfredo Valadas
Mais jogos: Gaspar, Martins e Albino (18)
Goleador: Júlio (24 golos em 16 jogos)
Equipa tipo: Martins; Gaspar Pinto, César Ferreira; Jordão, Albino, Francisco Ferreira; Nelo, Teixeira, Manuel Costa, Júlio e Valadas
Curiosidade. O Benfica conseguiu nesta época a grande goleada na história ao FC Porto: 12-2, com golos de Júlio (quatro), Valadas (dois), Teixeira (dois), Manuel da Costa (dois), Francisco Ferreira e um autogolo Alfredo

1944/45

As pazes enre Peyroteo e Gaspar Pinto

1.º lugar com 30 pontos em 18 jogos (+3 do que o Sporting)
Outros títulos:
Presidente: Augusto da Fonseca/Félix Bermudes
Treinador: Janos Biri
Capitão: Francisco Albino
Mais jogos: Francisco Ferreira e Gaspar (18)
Goleador: Rogério (16 golos em 16 jogos)
Equipa tipo: Rosa; Gaspar Pinto, Cerqueira; Albino, Moreira, Francisco Ferreira; Arsénio, Júlio, Espírito Santo, Rogério e Teixeira
Curiosidade. A festa de despedida de Valadas, no ano em que a Câmara de Lisboa escolheu os terrenos da Avenida do Brasil como novo parque de jogos do clube, permitiu que Peyroteo (Sporting) e Gaspar Pinto (Benfica) fizessem as pazes anos depois

1949/50

Quando Vieira foi à baliza do FC Porto

1.º lugar com 45 pontos em 26 jogos (+6 do que o Sporting)
Outros títulos: Taça Latina (Bordéus)
Presidente: Mário Madeira
Treinador: Ted Smith
Capitão: Francisco Ferreira
Mais jogos: Jacinto, Joaquim Fernandes e Moreira (26)
Goleador: Júlio (29 golos em 22 jogos)
Equipa tipo: Bastos; Jacinto, Fernandes; Moreira, Félix, Francisco Ferreira; Arsénio, Rogério, Corona, Rosário e Júlio
Curiosidade. O Benfica venceu o FC Porto no Campo da Constituição pela margem mínima num jogo que ficou marcado pelo penálti falhado por Rogério, que permitiu a defesa a Vieira… jogador de campo que tinha substituído o expulso Barrigana

1954/55

O primeiro golo de Coluna

1.º lugar com 39 pontos em 26 jogos (igual ao Belenenses)
Outros títulos: Taça de Portugal (Sporting)
Presidente: Joaquim Ferreira Bogalho
Treinador: Otto Glória
Capitão: Joaquim Fernandes
Mais jogos: Águas, Jacinto, Artur, Costa Pereira e Coluna (26)
Goleador: Águas (20 golos em 26 jogos)
Equipa tipo: Costa Pereira; Jacinto, Ângelo; Caiado, Alfredo, Calado; Arsénio, Coluna, Palmeiro, Salvador e Águas
Curiosidade. Coluna, um dos três moçambicanos que tinham reforçado o Benfica (com Costa Pereira e Naldo), marcou o primeiro golo num dérbi com o Sporting realizado na Luz (empate a um, com autogolo de Artur)

1956/57

Calado na casa da vizinha valeu multa

1.º lugar com 41 pontos em 26 jogos (+1 do que o FC Porto)
Outros títulos: Taça de Portugal (Sp. Covilhã)
Presidente: Joaquim Ferreira Bogalho/Maurício Vieira de Brito
Treinador: Otto Glória
Capitão: Fernando Caiado
Mais jogos: Bastos (26)
Goleador: Águas (30 golos em 25 jogos)
Equipa tipo: Bastos; Calado, Ângelo; Pegado, Serra, Alfredo; Coluna, Caiado, Palmeiro, Cavém e Águas
Curiosidade. Calado, um dos defesas do Benfica a par de Ângelo, foi exemplo da disciplina de Otto Glória: foi apanhado às 23h10 em casa da vizinha, que fazia anos nesse dia, e foi multado em 1.000 escudos quando recebia por mês… 750

1959/60

A estreia de Bela Guttmann

1.º lugar com 45 pontos em 26 jogos (+2 do que o Sporting)
Outros títulos:
Presidente: Maurício Vieira de Brito
Treinador: Bela Guttmann
Capitão: Artur Santos
Mais jogos: Cavém e José Augusto (26)
Goleador: José Augusto (19 golos em 26 jogos)
Equipa tipo: Costa Pereira; Mário João, Ângelo; Neto, Artur, Cruz; Santana, Coluna, José Augusto, Cavém e Águas
Curiosidade: Depois de chegar e vencer o Campeonato pelo FC Porto, Bela Guttmann, húngaro que passara por vários clubes e países incluindo Argentina e Brasil, chega ao Benfica e consegue também ser campeão no primeiro ano

1960/61

O título oferecido pelo Belenenses

1.º lugar com 46 pontos em 26 jogos (+4 do que o Sporting)
Outros títulos: Taça dos Campeões Europeus (Barcelona)
Presidente: Maurício Vieira de Brito
Treinador: Bela Guttmann
Capitão: Artur Santos
Mais jogos: Cavém e José Augusto (26)
Goleador: José Augusto (19 golos em 26 jogos)
Equipa tipo: Costa Pereira; Serra, Ângelo; Neto, Germano, Cruz; Santana, Coluna, José Augusto, Cavém e Águas
Curiosidade. Apesar de ter chegado na parte final da época e de não ter contribuído para a conquista internacional, Eusébio jogou no último encontro do Campeonato (e marcou) e o Belenenses ofereceu aos encarnados as faixas de campeões europeus

1962/63

Torres e Eusébio marcaram juntos 49 golos

1.º lugar com 48 pontos em 26 jogos (+6 do que o FC Porto)
Outros títulos:
Presidente: Fezas Vital
Treinador: Fernando Riera
Capitão: José Águas
Mais jogos: Costa Pereira e Coluna (26)
Goleador: Torres (26 golos em 21 jogos)
Equipa tipo: Costa Pereira; Cavém, Ângelo; Cruz, Germano, Coluna; Santana, José Augusto, Simões, Eusébio e Torres
Curiosidade. Torres e Eusébio marcaram juntos 49 golos, ou seja, mais do que todas as equipas do Campeonato à exceção de FC Porto e Sporting. No entanto, o melhor jogador da época acabou por ser Simões

1963/64

A goleada por 10-0 onde Eusébio marcou 6

1.º lugar com 46 pontos em 26 jogos (+6 do que o FC Porto)
Outros títulos: Taça de Portugal (FC Porto)
Presidente: Fezas Vital/Adolfo Vieira de Brito
Treinador: Lajos Czeizler
Capitão: Coluna
Mais jogos: Costa Pereira e Cavém (26)
Goleador: Eusébio (28 golos em 19 jogos)
Equipa tipo: Costa Pereira; Cavém, Cruz; Neto, Luciano, Coluna; Augusto Silva, José Augusto, Simões, Eusébio e Torres
Curiosidade. Também houve uma goleada por 10-0 na Luz, neste caso frente ao Seixal, e com um inevitável protagonista: Eusébio marcou seis golos entre os 8′ e os 80′ minutos, com Torres e Yaúca também a bisarem

1964/65

O primeiro tri e a final europeia falhada

1.º lugar com 43 pontos em 26 jogos (+6 do que o FC Porto)
Outros títulos:
Presidente: Adolfo Vieira de Brito/António Catarino Duarte
Treinador: Elek Schwartz
Capitão: Coluna
Mais jogos: Torres (24)
Goleador: Eusébio (28 golos em 20 jogos)
Equipa tipo: Costa Pereira; Cavém, Germano; Raúl, Jacinto, Neto; Coluna, José Augusto, Simões, Eusébio e Torres
Curiosidade. Benfica conseguiu um feito histórico com o primeiro tricampeonato da história, teve três jogadores na seleção da UEFA (Eusébio, Simões e José Augusto) mas voltou a perder uma final europeia, desta vez com o Inter

1966/67

A tragédia de Luciano, eletrocutado na hidromassagem

1.º lugar com 43 pontos em 26 jogos (+3 do que a Académica)
Outros títulos:
Presidente: José Ferreira Queimado/Adolfo Vieira de Brito
Treinador: Fernando Riera
Capitão: Coluna
Mais jogos: Cavém e Eusébio (26)
Goleador: Eusébio (31 golos em 26 jogos)
Equipa tipo: Costa Pereira; Cavém, Raúl, Jacinto, Cruz; Jaime Graça, Coluna; José Augusto, Simões, Eusébio e Torres
Curiosidade. Uma época marcada pela tragédia de Luciano: o defesa morreu num curto-circuito na sessão de hidromassagem no balneário da Luz e não foi pior porque Jaime Graça desligou o quadro elétrico e salvou Eusébio, Malta da Silva e Carmo Pais

1967/68

Benfica ultrapassa títulos do Sporting

1.º lugar com 41 pontos em 26 jogos (+4 do que o Sporting)
Outros títulos:
Presidente: Adolfo Vieira de Brito
Treinador: Fernando Riera, Fernando Cabrita e Otto Glória
Capitão: Coluna
Mais jogos: José Henrique (26)
Goleador: Eusébio (42 golos em 24 jogos)
Equipa tipo: José Henrique; Cavém, Raúl, Jacinto, Humberto Fernandes; Jaime Graça, Coluna; José Augusto, Simões, Eusébio e Torres
Curiosidade. Foi uma temporada atribulada, com Riera suspenso por denunciar ordenados em atraso e três treinadores, mas o Benfica voltou a uma final europeia (perdida com o Manchester United) e ultrapassou os títulos do Sporting

1968/69

O jogo repetido com a Sanjoanense

1.º lugar com 39 pontos em 26 jogos (+2 do que o FC Porto)
Outros títulos: Taça de Portugal (Académica)
Presidente: Adolfo Vieira de Brito/Borges Coutinho
Treinador: Otto Glória
Capitão: Coluna
Mais jogos: Humberto Coelho (26)
Goleador: Torres (16 golos em 21 jogos)
Equipa tipo: José Henrique; Adolfo, Humberto Coelho, Zeca, Jacinto; Jaime Graça, Coluna; José Augusto, Simões, Eusébio e Torres
Curiosidade. O Benfica passou em São João da Madeira com a Sanjoanense mas só à segunda: os visitados fizeram um protesto dizendo que, quando os encarnados substituíram o lesionado José Henrique, jogaram com 12 e houve mesmo repetição de jogo

1970/71

A despedida de Coluna e a entrada de Simões

1.º lugar com 41 pontos em 26 jogos (+3 do que o Sporting)
Outros títulos:
Presidente: Borges Coutinho
Treinador: Jimmy Hagan
Capitão: António Simões
Mais jogos: José Henrique e Artur Jorge (26)
Goleador: Artur Jorge (24 golos em 26 jogos)
Equipa tipo: José Henrique; Malta da Silva, Humberto Coelho, Zeca, Adolfo; Jaime Graça, Vítor Martins, Simões; Nené, Eusébio e Artur Jorge
Curiosidade. Coluna teve nesse ano a festa de despedida, António Simões ficou como capitão, Jaime Graça assumiu a posição num jogo e, na antepenúltima jornada, Eusébio colocou pela primeira vez a braçadeira quando Simões saiu com o V. Setúbal

1971/72

A dobradinha e 12 jogadores na Minicopa

1.º lugar com 55 pontos em 30 jogos (+10 do que o V. Setúbal)
Outros títulos: Taça de Portugal (Sporting)
Presidente: Borges Coutinho
Treinador: Jimmy Hagan
Capitão: António Simões
Mais jogos: José Henrique (30)
Goleador: Artur Jorge (28 golos em 26 jogos)
Equipa tipo: José Henrique; Malta da Silva, Humberto Coelho, Rui Rodrigues, Artur; Jaime Graça, Vítor Martins, Simões; Nené, Eusébio e Artur Jorge
Curiosidade. Depois da dobradinha e de uma boa campanha europeia travada pelo Ajax de Cruyff nas meias-finais da Taça dos Clubes Campeões Europeus, Portugal fica no segundo lugar na Minicopa realizada no Brasil com 12 jogadores encarnados

1972/73

A segunda vida de Eusébio, com 40 golos

1.º lugar com 58 pontos em 30 jogos (+18 do que o Belenenses)
Outros títulos:
Presidente: Borges Coutinho
Treinador: Jimmy Hagan
Capitão: António Simões
Mais jogos: José Henrique (30)
Goleador: Eusébio (40 golos em 28 jogos)
Equipa tipo: José Henrique; Malta da Silva, Humberto Coelho, Messias, Adolfo; Toni, Vítor Martins, Simões; Nené, Eusébio e Artur Jorge
Curiosidade. Aos 30 anos, Eusébio pareceu ganhar uma segunda vida e marcou 40 golos em 28 jogos no Campeonato. Grande destaque? O dérbi na Luz, onde marcou quatro golos (4-1) perante 80.000 espetadores com uma receita de 2.000 contos

1974/75

Benfica e Sporting reatam relações

1.º lugar com 49 pontos em 30 jogos (+5 do que o FC Porto)
Outros títulos:
Presidente: Borges Coutinho
Treinador: Milorad Pavic
Capitão: Toni
Mais jogos: Humberto Coelho (30)
Goleador: Moinhos (13 golos em 27 jogos)
Equipa tipo: Bento; Artur, Humberto Coelho, Messias, Barros; Toni, Vítor Martins, Simões; Moinhos, Diamantino e Nené
Curiosidade. O Benfica assegurou o título e fez a festa na penúltima jornada em Alvalade com um empate a uma bola (Fraguito e Diamantino) na mesma temporada em que as direções dos dois clubes reataram relações depois do Natal

1975/76

A dupla Jordão-Nené assegurou o ataque

1.º lugar com 50 pontos em 30 jogos (+2 do que o Boavista)
Outros títulos: –
Presidente: Borges Coutinho
Treinador: Mário Wilson
Capitão: Toni
Mais jogos: Moinhos, Nené e Toni (29)
Goleador: Jordão (30 golos em 28 jogos)
Equipa tipo: Bento; Artur, Humberto Coelho, Messias, Barros; Toni, Vítor Martins, Vítor Baptista; Moinhos, Jordão e Nené
Curiosidade. Moinhos, que tinha sido o melhor marcador na temporada anterior, ficou-se pelos sete golos mas a dupla Jordão-Nené assegurou o ataque encarnado e marcou mais golos sozinha do que o Sporting em 30 jogos (59-54)

1976/77

Vítor Baptista e a reviravolta em Portimão

1.º lugar com 51 pontos em 30 jogos (+9 do que o Sporting)
Outros títulos:
Presidente: Borges Coutinho/José Ferreira Queimado
Treinador: John Mortimore
Capitão: Toni
Mais jogos: Nené (30)
Goleador: Nené (22 golos em 30 jogos)
Equipa tipo: Bento; Artur, Alhinho, Eurico, Alberto; Toni, Vítor Martins, José Luís; Moinhos, Chalana e Nené
Curiosidade. Depois de um início com duas derrotas e dois empates em cinco jogos, o Benfica arrancou uma vitória fulcral em Portimão virando de 0-1 para 2-1 com golos de Vítor Baptista jogando apenas com nove (expulsões de Barros e Toni)

1980/81

635 minutos sem Bento sofrer golos

1.º lugar com 50 pontos em 30 jogos (+2 do que o FC Porto)
Outros títulos: Taça de Portugal (FC Porto) e Supertaça (Sporting)
Presidente: José Ferreira Queimado/Fernando Martins
Treinador: Lajos Baroti
Capitão: Humberto Coelho
Mais jogos: Bento, Shéu, João Alves e Pietra (30)
Goleador: Nené (20 golos em 29 jogos)
Equipa tipo: Bento; Pietra, Humberto Coelho, Bastos Lopes, Laranjeira; Carlos Manuel, Shéu, João Alves, Chalana; Nené e César
Curiosidade. O Benfica teve um início fantástico com sete vitórias consecutivas mas, mais do que isso, um total de 635 minutos sem Bento sofrer golos até à derrota nas Antas por 2-1 com golos de Walsh e Costa

1982/83

Tudo estragado com a derrota na final da Taça UEFA

1.º lugar com 51 pontos em 30 jogos (+4 do que o FC Porto)
Outros títulos: Taça de Portugal (FC Porto)
Presidente: Fernando Martins
Treinador: Sven-Goran Eriksson
Capitão: Humberto Coelho
Mais jogos: António Bastos Lopes, Humberto Coelho, Diamantino, Carlos Manuel e Chalana (29)
Goleador: Nené (22 golos em 28 jogos)
Equipa tipo: Bento; Veloso, Humberto Coelho, Bastos Lopes, Pietra; Carlos Manuel, Shéu, João Alves, Chalana; Nené e Filipovic
Curiosidade. Não fosse a derrota na final da Taça UEFA com o Anderlecht e tinha sido uma época perfeita também por culpa de Bento, que defendeu um penálti num jogo com o FC Porto (Gomes) e outro com o Sporting (Jordão)

1983/84

13 golos de Nené

1.º lugar com 52 pontos em 30 jogos (+3 do que o FC Porto)
Outros títulos:
Presidente: Fernando Martins
Treinador: Sven-Goran Eriksson
Capitão: Humberto Coelho e Nené
Mais jogos: Álvaro (30)
Goleador: Nené (21 golos em 26 jogos)
Equipa tipo: Bento; Pietra, Bastos Lopes, Oliveira, Álvaro; Carlos Manuel, Shéu, Stömberg, Chalana; Nené e Diamantino
Curiosidade. O tempo passava e Nené continuava imparável em frente à baliza: em cinco jornadas consecutivas com Águeda, Sp. Braga, FC Porto, Farense e Penafiel, o avançado de 34 anos marcou um total de 13 golos

1986/87

Os célebres 7-1, mas o título

1.º lugar com 49 pontos em 30 jogos (+3 do que o FC Porto)
Outros títulos: Taça de Portugal (Sporting)
Presidente: Fernando Martins/João Santos
Treinador: John Mortimore
Capitão: Shéu
Mais jogos: Veloso (30)
Goleador: Rui Águas (13 golos em 27 jogos)
Equipa tipo: Silvino; Veloso, Edmundo, Dito, Álvaro; Shéu, Carlos Manuel, Diamantino, Chiquinho; Manniche e Rui Águas
Curiosidade. O Benfica sofreu a pior derrota de sempre num dérbi com o Sporting, os célebres 7-1 em Alvalade, mas não só acabou a ganhar o Campeonato como ainda derrotou os leões na final da Taça de Portugal

1988/89

Goleada de 14-1 ao Riachense

1.º lugar com 63 pontos em 38 jogos (+7 do que o FC Porto)
Outros títulos:
Presidente: João Santos
Treinador: Toni
Capitão: Shéu
Mais jogos: Silvino (38)
Goleador: Magnusson (16 golos em 27 jogos)
Equipa tipo: Silvino; Veloso, Mozer, Ricardo, Fonseca; Elzo, Valdo, Paneira, Pacheco; Vata e Magnusson
Curiosidade. Um, dois, três, 14: além do Campeonato, o Benfica foi ainda à final da Taça de Portugal (derrota com o Belenenses) mas conseguiu a sua maior goleada frente ao Riachense (14-1) com seis golos de Ricky e bis de Ademir e Pacheco

1990/91

Os dois golos de César Brito nas Antas

1.º lugar com 69 pontos em 38 jogos (+2 do que o FC Porto)
Outros títulos:
Presidente: João Santos
Treinador: Sven-Goran Eriksson
Capitão: Veloso
Mais jogos: William (38)
Goleador: Rui Águas (25 golos em 37 jogos)
Equipa tipo: Neno; José Carlos, William, Ricardo, Veloso; Paulo Sousa, Valdo, Paneira, Pacheco; Magnusson e Rui Águas
Curiosidade. César Brito marcou apenas sete golos no Campeonato mas foi a grande figura: nas Antas, num jogo decisivo onde a equipa se equipou no túnel por cheirar a bagaço no balneário, o avançado entrou a dez minutos do final e bisou (81′ e 85′)

1993/94

A vingança com 6-3 em Alvalade

1.º lugar com 54 pontos em 34 jogos (+2 do que o FC Porto)
Outros títulos:
Presidente: Jorge de Brito/Manuel Damásio
Treinador: Toni
Capitão: Veloso
Mais jogos: Rui Costa e João Vieira Pinto (34)
Goleador: João Vieira Pinto (15 golos em 34 jogos)
Equipa tipo: Neno; Abel Xavier, Mozer, Hélder, Schwarz; Kulkov, Paneira, Isaías, Rui Costa; João Vieira Pinto e Ailton
Curiosidade. 25 anos depois, há um jogo memorável para os encarnados e que decidiu o Campeonato: o 6-3 em Alvalade frente ao Sporting, com hat-trick de João Vieira Pinto na primeira parte mais dois golos de Isaías e um de Hélder

2004/05

Quebrado o maior jejum de títulos

1.º lugar com 65 pontos em 34 jogos (+3 do que o FC Porto)
Outros títulos:
Presidente: Luís Filipe Vieira
Treinador: Giovanni Trapattoni
Capitão: Simão
Mais jogos: Simão (34)
Goleador: Simão (15 golos em 34 jogos)
Equipa tipo: Quim; Miguel, Luisão, Ricardo Rocha, Dos Santos; Petit, Manuel Fernandes; Geovanni, Nuno Assis, Simão e Nuno Gomes
Curiosidade. Os encarnados quebraram o maior jejum de títulos da sua história com um treinador italiano que tinha sido um dos carrascos do AC Milan na Taça dos Clubes Campeões Europeus em 1963 e um golo decisivo de Luisão no dérbi na Luz (33.ª)

2009/10

Jesus a lutar até ao fim com… o Sp. Braga

1.º lugar com 76 pontos em 30 jogos (+5 do que o Sp. Braga)
Outros títulos: Taça da Liga (FC Porto)
Presidente: Luís Filipe Vieira
Treinador: Jorge Jesus
Capitão: Nuno Gomes
Mais jogos: Quim (30)
Goleador: Cardozo (26 golos em 29 jogos)
Equipa tipo: Quim; Maxi Pereira, Luisão, David Luiz, Fábio Coentrão; Javi Garcia, Ramires, Di María, Aimar; Saviola e Cardozo
Curiosidade. Jorge Jesus chegou, viu e venceu com uma equipa ofensiva que conseguiu goleadas como os 8-1 frente ao V. Setúbal mas teve luta até à última jornada da sua anterior equipa, o Sp. Braga, que teve a sua melhor época de sempre

2013/14

Os bocados do Estádio que adiaram o dérbi

1.º lugar com 74 pontos em 30 jogos (+7 do que o Sporting)
Outros títulos: Taça de Portugal (Rio Ave) e Taça da Liga (Rio Ave)
Presidente: Luís Filipe Vieira
Treinador: Jorge Jesus
Capitão: Luisão
Mais jogos: Lima, Luisão e Enzo Pérez (28)
Goleador: Lima (14 golos em 28 jogos)
Equipa tipo: Oblak; Maxi Pereira, Luisão, Garay, Siqueira; Fejsa, Enzo Pérez; Markovic, Gaitán; Rodrigo e Lima
Curiosidade. O dérbi que poderia reabrir ou quase fechar as contas do Campeonato na Luz foi adiado 48 horas depois da queda de material de isolamento da pala do Estádio da Luz, passando de domingo para terça-feira por questões de segurança

2014/15

A estreia (em grande) de Jonas

1.º lugar com 85 pontos em 34 jogos (+3 do que o FC Porto)
Outros títulos: Taça da Liga (Marítimo) e Supertaça (Rio Ave)
Presidente: Luís Filipe Vieira
Treinador: Jorge Jesus
Capitão: Luisão
Mais jogos: Lima (34)
Goleador: Jonas (20 golos em 27 jogos)
Equipa tipo: Júlio César; Maxi Pereira, Luisão, Jardel, Eliseu; Samaris, Salvio, Gaitán, Talisca; Lima e Jonas
Curiosidade. Jonas, a última contratação do Benfica, estreou-se à sétima jornada com um golo frente ao Arouca como suplente utilizado e teve um final em grande, marcando 15 golos nas derradeiras 13 jornadas e sendo o melhor marcador da equipa

2015/16

12 vitórias consecutivas

1.º lugar com 88 pontos em 34 jogos (+2 do que o Sporting)
Outros títulos: Taça da Liga (Marítimo)
Presidente: Luís Filipe Vieira
Treinador: Rui Vitória
Capitão: Luisão
Mais jogos: Jonas (34)
Goleador: Jonas (32 golos em 34 jogos)
Equipa tipo: Júlio César; André Almeida, Jardel, Lindelöf, Eliseu; Fejsa, Renato Sanches; Pizzi, Gaitán; Jonas e Mitroglou
Curiosidade. Depois das derrotas com o Sporting do ex-técnico Jorge Jesus na Supertaça, na primeira volta da Liga e na Taça de Portugal, equipa de Rui Vitória venceu em Alvalade, somou 12 triunfos seguidos e bateu recorde de pontos num Campeonato

2016/17

O primeiro tetra da história

1.º lugar com 82 pontos em 34 jogos (+6 do que o FC Porto)
Outros títulos: Taça da Liga (V. Guimarães) e Supertaça (Sp. Braga)
Presidente: Luís Filipe Vieira
Treinador: Rui Vitória
Capitão: Luisão
Mais jogos: Pizzi (33)
Goleador: Mitroglou (16 golos em 28 jogos)
Equipa tipo: Ederson; Nelson Semedo, Luisão, Lindelöf, Grimaldo; Fejsa, Pizzi; Salvio, Cervi; Jonas e Mitroglou
Curiosidade. A vitória no Campeonato foi confirmada na penúltima jornada frente ao V. Guimarães com 4-0 ao intervalo e um golo de Raúl Jiménez após uma assistência de 80 metros de… Ederson – e o Benfica conseguiu assim o primeiro tetra da história

2018/19

Lage, campeão a meio da época

1.º lugar com 87 pontos em 34 jogos (+2 do que o FC Porto)
Outros títulos:
Presidente: Luís Filipe Vieira
Treinador: Rui Vitória e Bruno Lage
Capitão: Jardel
Mais jogos: Vlachodimos, Grimaldo e Pizzi (34)
Goleador: Seferovic (21 golos em 29 jogos)
Equipa tipo: Vlachodimos; André Almeida, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo; Samaris, Gabriel; Pizzi, Rafa; João Félix e Seferovic
Curiosidade. Bruno Lage tornou-se o primeiro treinador campeão entrando a meio da época desde 1967, com a curiosidade de cinco dos jogadores portugueses campeões estarem no ano passado ao serviço da equipa B do Benfica