Eleições Europeias

Benfica ou Porto? O dia em que a campanha pára (quase) toda ao pôr do sol

Uns dizem que não alteraram a estratégia um milímetro, outros admitem que tiveram de reorganizar a agenda por causa do futebol. Certo é que à hora dos jogos nenhum partido tem iniciativas marcadas.

AFP/Getty Images

Quando a bola dos dois jogos que vão decidir o titulo começar a rolar, o PS estará fora da estrada. Pedro Marques, que nesse sábado volta a ter António Costa consigo, não tem nada marcado para a hora do jogo. A agenda do dia foi feita assim propositadamente, para que entre a visita às obras em Mondim de Basto (IC31), às 16 horas, e o comício de Guimarães, marcado para as nove da noite, não há nada para que todos possam acompanhar a decisão do campeonato.

O candidato benfiquista prepara-se para ver o jogo em privado, muito provavelmente com o também benfiquista António Costa. Mas depois do jogo, voltam ao trabalho. O PS manteve inalterado o comício da noite, ainda que por essa hora o país esteja muito provavelmente mais interessado nos festejos do título. Os dois socialistas ou estarão em festa ou entrarão no comício em total desânimo. O Benfica ditará esse estado de espírito.

O PSD tinha um grande evento preparado para a Quinta da Malafaia, em Esposende, para sábado às 20h00. Naquele local, onde Rui Rio já tocou bateria na Festa da Europa, o partido costuma mobilizar entre duas a três mil pessoas. Mas o jantar foi adiado, uma vez que toda a atenção mediática vai estar virada para os jogos de Benfica e Porto e para a festa do campeão nacional de futebol.

O encontro na Malafaia passou para domingo à noite, o que não criou um grande constrangimento na agenda. O programa já previa uma noite de domingo vazia porque as primeiras informações da Liga eram que a última jornada se realizava no domingo. Assim, o jantar e convívio avançam apenas um dia.

Paulo Rangel é portista, mas liga pouco ou nada a futebol. Nesse sentido, tendo em conta o desgaste da campanha, vai aproveitar o dia para descansar junto da família e, se assistir ao jogo, será nesse contexto intimista e familiar.

Há cinco anos, o candidato assistiu à final da Liga Europa entre o Benfica e o Sevilha, mas foi por insistência pelo seu então compagnon de route do CDS nessa campanha, Nuno Melo.

Melo é benfiquista, mas “pouco”. Ligar mesmo só liga à seleção, aí é que vibra a sério. Mas vai ver o jogo na companhia do número dois da lista do CDS, Pedro Mota Soares, que, esse sim, é adepto fervoroso do clube da Luz. Não sabem ainda exatamente em que sítio vão assistir aos jogos que vão decidir o campeonato de futebol, mas uma coisa é certa: a rota da campanha foi desenhada de forma a não colidir com o evento desportivo.

Inicialmente, estava previsto que os jogos da última jornada se realizassem no domingo, dia 19, e a agenda da campanha estava desenhada nesse sentido, com espaço livre no domingo à tarde/noite. Mas assim que se soube que os jogos seriam antecipados para sábado, a direção de campanha ajustou-se à medida. Para sábado, estava marcado um mega-jantar comício em Cascais, eventualmente o maior evento da primeira semana de campanha, mas teve de ser adiado. Vai realizar-se, afinal, na terça-feira à noite, obrigando a caravana centrista a fazer mais uns desvios “para cima e para baixo” do que os que já estavam previstos.

Assim sendo, no sábado, as atividades de campanha dos centristas vão-se condensar na parte da manhã, no distrito de Aveiro, terminando às 15h numa feira de Oliveira de Azeméis. O resto da tarde e noite é livre, para eventuais comemorações futebolísticas.

No caso da CDU, a última ação de campanha programada para este sábado é um desfile seguido de comício em Almada. Começa às 15h e estará mais que concluído à hora da decisão do campeonato. Ao Observador, fonte oficial da candidatura de João Ferreira confirmou que o campeonato de futebol foi tido em conta na programação da rota e dos horários das ações de campanha.

“Sabíamos há muito tempo que este fim de semana poderia ser o da decisão do campeonato”, disse fonte da candidatura. Por isso, e tendo em conta “tudo o que isso envolve, também a nível do espaço mediático”, foi decidido que o programa oficial da campanha da CDU terminaria a meio da tarde neste fim de semana.

Do lado do BE, garante-se que a agenda não sofreu qualquer alteração em função dos jogos que vão definir o título de campeão da Liga NOS. “O Bloco tinha agendado um grande almoço na Sala Tejo do Pavilhão Atlântico [para as 12h30], seguido de uma arruada às 15h30. Não alterou em nada a sua agenda”, respondeu uma fonte da organização.

A arruada foi antecipada em meia hora mas trata-se apenas de uma hora indicativa, calculada com base na duração do mega-almoço – uma tradição das campanhas bloquistas.

O partido não tem qualquer ação marcada para o fim da tarde ou para noite mas, mais uma vez, nada tem a ver com a decisão do título. A caravana do Bloco de Esquerda vai passar o dia de domingo na Madeira e parte na noite de sábado para o arquipélago. A organização da campanha assegura que esta decisão já estava tomada há muito tempo, “antes até de serem conhecidos os horários e dias dos jogos”.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)