Eleições Europeias

Partido de Macron contra presença de Steve Bannon em Paris: “Um ataque à soberania”

377

Steve Bannon, o ex-estratega político de Donald Trump, esteve em Paris para apoiar a União Nacional de Marine Le Pen — o que o diretor de campanha do partido de Macron considera "extremamente grave".

Steve Bannon teve um papel central na campanha presidencial de Donald Trump e foi nomeado seu conselheiro

Sylvain Lefevre/Getty Images

O partido República em Marcha de Emmanuel Macron denunciou este sábado a presença em Paris de Steve Bannon, o ex-estratega político de Donald Trump, e as suas ligações à União Nacional, referindo-se a um “ataque à soberania”.

“Tranquilamente, Steve Bannon coloca as suas malas em Paris na sua suíte no Bristol a 2.500 euros por noite para fazer ganhar Le Pen. É um ataque à soberania da eleição dentro da linha estratégica dos nacionalistas…de vomitar”, escreveu o diretor de campanha do República em Marcha (LREM), Stéphane Séjourné, na rede social Twitter, numa referência às eleições europeias que vão decorrer dentro de poucos dias.

O porta-voz da campanha do partido do Presidente francês, Pieyre-Alexandre Anglade, qualificou igualmente, numa entrevista televisiva, a presença de Steve Bannon em França para apoiar a União Nacional de Marine Le Pen como “extremamente grave”.

Numa entrevista dada ao jornal Le Parisien no hotel Bristol, na capital francesa, Bannon afirmou que veio para Paris porque “de todas as eleições que irão acontecer no próximo fim de semana na Europa […] França, é de longe, a mais importante”. O ex-estratega político do Presidente norte-americano referiu que estará em causa “o posicionamento mundial” de Emmanuel Macron.

É um referendo a ele e a sua visão para a Europa”, declarou Bannon, que prevê um “terramoto” no próximo dia 26 de maio, dia em que França vota nas eleições europeias.

Na semana passada, parlamentares franceses pediram uma comissão de inquérito à União Nacional de Marine Le Pen, na sequência de uma reportagem sobre ligações do partido de extrema-direita a Steve Bannon. Dois senadores e dois deputados confirmaram à agência France Presse (AFP) o seu apoio ao apelo para uma tal comissão, lançado pelo ex-ministro de direita Fréderic Lefebvre, dirigente do partido Agir, aliado da maioria do Presidente Emmanuel Macron.

Os parlamentares querem determinar se o partido incorreu em “alta traição” com uma potência estrangeira, na sequência da publicação de uma reportagem no canal France 2 que mostra dois dirigentes da União Nacional, Louis Aliot e Jérôme Rivière, a proporem a Steve Bannon assistir a reuniões entre Marine Le Pen e altos funcionários de França.

Le Pen reagiu denunciando “uma pobre manobra eleitoralista de um movimento que está prestes a perder o primeiro lugar nas sondagens”, numa referência ao LREM, de Macron, que lidera as sondagens com uma pequena vantagem sobre a União Nacional.

Steve Bannon teve um papel central na campanha presidencial de Donald Trump e foi nomeado conselheiro do Presidente dos Estados Unidos, cargo de que se demitiu em agosto de 2017. Em 2018, lançou em Bruxelas a fundação The Movement (O Movimento) para criar uma rede de partidos populistas europeus com vista às eleições para o Parlamento Europeu (PE), que se realizam entre 23 e 26 de maio.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)