Eleições Europeias

Benfica encheu o Marquês, já Costa e Marques tiveram dificuldade em compor uma sala

386

Socialistas mantiveram comício de Guimarães, marcado para depois da decisão do campeonato de futebol. Foram os únicos. Sala estava preparada para 800, mas foram bem menos ouvir o candidato e o líder.

Na frente acabou por se compor, mas atrás a organização teve de retirar bandeiras das cadeiras e pagar as luzes.

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

As expectativas socialistas eram elevadas para o auditório do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, que tem capacidade para 800 pessoas. Havia bandeiras do partido espalhadas por todas as cadeiras do auditório, mas quando já passavam 40 minutos da hora marcada para o início do comício, a organização começou a retirá-las da parte de cima da sala. Pedro Marques havia de chegar acompanhado de António Costa pouco depois disso, tinha a sala cerca de 200 pessoas. Os dois concentraram a mensagem no apelo ao voto.

O Benfica estava a levantar a taça no Estádio da Luz, em Lisboa, e o comício socialista continuava a não arrancar em Guimarães — o PS foi o único partido a manter a iniciativa noturna nesta campanha, sabendo que o foco estaria no final do campeonato nacional de futebol. Já lá estava Vieira da Silva (ministro) e Pedro Silva Pereira (número três da lista), mas a sala continuava por compor. O speaker ia pedindo desculpa pelo atraso e anunciando que o líder socialista estava prestes a chegar e era preciso aquecer a sala. Estava fria, de facto. E só mesmo quando o cabeça de lista às Europeias chegou com o líder do partido é que a parte da frente da sala ficou mais composta, ainda assim com alguns buracos entre a assistência.

As cadeiras vazias entre os militantes do PS, antes de Costa chegar. ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Gritou-se PS, agitaram-se bandeiras e subiram ao palco o presidente da concelhia de Guimarães, Luís Soares, o líder do PS-Braga, Joaquim Barreto, a décima da lista às Europeias, Isabel Estrada Carvalhais, Vieira da Silva e só depois Pedro Marques e António Costa que fez um rasgado elogio à campanha do seu candidato.

“Grande campanha, Pedro, que tens vindo a fazer, na rua, nas empresas, nos debates, em todos os sítios”, disse Costa que também sublinhou a campanha feita pelos restantes candidatos na lista do PS, que “não fazem campanha de helicóptero, fazem campanha com os pés no chão, cara a cara”, em mais uma referência a Paulo Rangel. Havia de voltar a atacar o candidato do PSD por ter pedido à Comissão Europeia, perante a solução política que se construiu em Portugal em 2015, “para vir a Portugal impedir a mudança porque com ela o país não seria capaz de cumprir acordos europeus e pediu à Comissão para nos vir cá pôr na ordem”.

Felizmente ousámos dizer não, resistir e convencer a Comissão que o caminho que propúnhamos não só era possível como era necessário para recuperar os rendimentos e devolver confiança aos cidadãos”, atirou o líder socialista.

Voltou a fazer o que já fizera no almoço comício de Viana do Castelo, apontando para o perigo da euforia com os resultados das sondagens que possa dar a vitória por garantida, promovendo a abstenção. Mas Costa também não escondeu a confiança nesta fase, dizendo que “só por duas vezes até agora os partidos no Governo ganharam as eleições Europeias. No próximo domingo vai acontecer pela terceira vez”, afirmou.

Da parte de trás da sala foram retiradas as bandeiras que aguardavam por militantes nas cadeiras. O cenário era este. 
ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Pouco antes tinha discursado Vieira da Silva, dirigente do partido e ministro da Segurança Social, que elogiou Costa por “mostrar que o caminho” que propunha “era viável” e que, por isso mesmo, “hoje António Costa é um líder dos mais influentes em toda a União Europeia e a voz de Portugal é escutada em qualquer assunto que releve para o futuro da Europa”.

Tal como Costa, também deixou o apelo ao voto, que o candidato do partido às Europeias havia de voltar a sublinhar prometendo que “vão ser sete dias de campanha sempre a dizer isto”, apelando aos autarcas socialistas para darem uma ajuda: “Vocês sabem quem vota PS, sabem quem são os corações que pulsam socialista. São esses que temos de chamar a votar a 26 de maio”, pediu o cabeça de lista do PS.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)