Rádio Observador

Luís Marques Mendes

Condecorações. Marques Mendes defende que “se tiram a Berardo, têm de instaurar processo disciplinar a Sócrates”

747

O ex-líder do PSD defendeu que o caso Berardo é um "caso de polícia". Mas no que diz respeito às condecorações “há um caso que tem de ser encarado também — José Sócrates".

O ex-líder do PSD apontou o dedo a todos os que tiveram intervenção no caso Berardo: o próprio comendador e os bancários

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O antigo líder do PSD Luís Marques Mendes defendeu que a retirada de condecorações a Joe Berardo abre um precedente e, por isso, é “minimamente óbvio” que seja instaurado um processo disciplinar a José Sócrates, que recebeu a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, em 2005, pelo Presidente Jorge Sampaio.

Marques Mendes deixou claro que concorda com a retirada das condecorações a Berardo, no seu espaço de comentário habitual na SIC: “Acho que ele se comporta altivez, com uma arrogância, com uma má-educação que, de facto, justifica.” Mas, para o comentador, “há um caso que tem de ser encarado também: José Sócrates”. “Não está ainda condenado — e não sei se alguma vez vai estar —, mas daquilo que já se conhece do seu comportamento, da sua conduta, é um comportamento impróprio, é uma conduta absolutamente inadmissível no plano político e no plano ético. Ou seja, tem grande responsabilidade porque é um ex-primeiro-ministro”, justificou.

Por maioria de razão, se tiram a Berardo, também acho que têm de instaurar um processo disciplinar a José Sócrates. Acho que é minimamente óbvio. Não é nenhuma questão minimamente pessoal, nem partidária, nem política”, defendeu.

O ex-líder do PSD defendeu que o caso Berardo é um “caso de polícia” e apontou o dedo a todos o que nele tiveram intervenção: o comendador porque “é clarinho que, no mínimo, aldrabou” e, “no máximo, cometeu um crime de burla”, mas também os gestores bancários porque “tiveram comportamentos dolosos ou, no mínimo, negligentes”. ”

Nem um nem outro merecem nem desculpa, nem perdão. Uma parte e outra merecem ser investigados e irem a julgamento”, disse Marques Mendes, alertando que “por muito menos” já viu “lá fora no estrangeiro, devedores e gestores em circunstâncias semelhantes, na cadeia”.

Foi neste sentido que Marques Mendes considerou que o caso Berardo “é o primeiro grande desafio à nova Procuradora-Geral da República“, Lucília Gago, “à sua coragem e à sua capacidade de intervenção” e de “decidir com rapidez”. Para se justificar, o comentador deu como exemplo o caso Marquês que “demorou quatro anos até haver uma acusação”; o caso BES que “já vai em quase cinco anos e ainda não tem sequer acusação nenhuma” e a investigação das PPP rodoviárias que “já vai em oito ou anos”. “Se acontece a mesma situação à Caixa Geral de Depósitos, isto fica para a eternidade”, disse.

Isto não é aceitável. Se não há meios para investigar, a Procuradoria-Geral da República tem que vir a público e dizer: “Faltam meios. Precisamos de mais meios”. Se há falta de meios e o Governo não dá meios, então também temos de agir”, alertou Marques Mendes.

O comentador político lamentou ainda a “lentidão” em que se encontra o sistema judicial e as falhas sucessivas: “Perdem-se provas, atuam as prescrições fica tudo na secretaria e as pessoas indignam-se. E, nessa altura, não é só criticar Berardo e outros devedores, não é só criticar os gestores. É criticar a justiça”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)