Brexit

May promete “proposta ousada” para fazer aprovar acordo de saída em junho

A primeira-ministra britânica, Theresa May, prometeu este domingo uma "proposta ousada" quando submeter o acordo para o 'Brexit' ao parlamento dentro de duas semanas.

Julien de Rosa/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A primeira-ministra britânica, Theresa May, prometeu este domingo uma “proposta ousada” quando submeter o acordo para o ‘Brexit’ ao parlamento dentro de duas semanas.

Num artigo publicado no jornal Sunday Times, May garantiu que o diploma “vai representar uma proposta nova e ousada”, com um “pacote melhorado de medidas” que a chefe de governo acredita que podem ganhar mais apoios em toda a Câmara dos Comuns.

“Não vou simplesmente pedir aos deputados que reconsiderem outra vez [o mesmo acordo]. Pelo contrário, vou pedir-lhes que olhem para um acordo novo e melhorado com outro olhar – e para lhe darem o seu apoio”, vincou.

A proposta de lei para fazer o Reino Unido sair da União Europeia (UE) será debatida em conselho de ministros na terça-feira antes de ser divulgada e apresentada ao parlamento britânico para ser votada na primeira semana de junho.

Esta será a quarta vez que o governo britânico vai tentar obter junto do parlamento a aprovação necessária para ratificar o acordo de saída do Reino Unido da UE negociado com Bruxelas, depois de três chumbos, por margens de 230, 149 e 58 votos.

Para a rejeição contribuíram os votos de conservadores eurocéticos e do Partido Democrata Unionista (DUP) devido à divergência com a solução prevista para evitar uma fronteira física entre a Irlanda e Irlanda do Norte.

Embora aceite o resultado do referendo de 2016 que determinou o ‘Brexit’, o partido Trabalhista, principal partido da oposição, também se opôs porque defende uma união aduaneira com a UE.

Na sexta-feira, o líder trabalhista, Jeremy Corbyn, anunciou o fim das negociações com o Governo que duravam há seis semanas para tentar chegar a um entendimento, invocando a falta de autoridade da primeira-ministra, cuja demissão deverá ser formalizada nas próximas semanas.

Mas Theresa May escreve este domingo no Sunday Times que, mesmo assim, as discussões foram positivas porque “o Governo agora tem uma perceção muito mais clara do que será necessário para obter um acordo”.

Além de analisar o conteúdo da proposta de lei, o conselho de ministros vai também considerar se a sua votação deve ser antecedida pela realização de votos no parlamento para testar o apoio dos deputados a outras soluções, adiantou May.

A imprensa britânica noticiou na semana passada, com base numa fuga de informação, que o governo poderá propor uma série de votações sobre diferentes cenários, como um novo referendo.

O Reino Unido tinha previsto sair da UE a 29 de março, mas a falta de uma maioria no parlamento para aprovar um acordo que permita uma saída ordenada forçou um adiamento da data.

O Conselho Europeu deu até 31 de outubro para o Reino Unido concluir o processo, que, se não for aprovado um acordo nem revertida a decisão de sair da UE, tem como opção por defeito a saída sem acordo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Boris haircut 

Luís Gouveia Fernandes
139

Quando Chamberlain se esgotou a assinar acordos que não acordavam nada, foi substituído por Churchill. Boris Johnson já cortou o cabelo, não sei como vai fazer, mas torço por ele. They’re coming home!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)