Sida

Câmara do Porto cria consórcio para ser “Cidade Sem Sida” até 2020

"Cidade Sem Sida" propõe reduzir o estigma através de metas 90-90-90, isto é 90% das pessoas com a infeção sabem que estão infetadas, 90% estejam em tratamento e 90% tenham a infeção controlada.

China Photos/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

A Câmara do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira o protocolo de criação do consórcio para implementar a estratégia uma “Cidade Sem Sida” até 2020, fixando como uma das metas que 90% dos infetados tenham tratamento.

“As cidades subscritoras da Declaração de Paris, nas quais o Porto se inclui, propõe-se reduzir o estigma, atingindo a discriminação zero através do cumprimento das metas 90-90-90 por volta de 2020, isto é: 90% das pessoas que vivem com a infeção sabem que estão infetadas, 90% das pessoas que sabem que estão infetadas estejam em tratamento e 90% das pessoas que estão em tratamento tenham a infeção controlada”, explicou Rui Moreira, presidente da autarquia.

Henrique de Barros, coordenador científico e técnico do “Plano de Ação da Estratégia Porto, Cidade Sem Sida”, observou que, no Porto, “os valores do diagnóstico [da doença], por ano e por 100 mil habitantes, são quase o dobro da média nacional”.

“Apesar do sucesso em alguns aspetos, como a diminuição imensa da infeção [pelo VIH/Sida] nas pessoas que utilizam drogas, Portugal e o Porto continuam a ser das comunidades com maior risco. A infeção está a aumentar de forma muito marcada nos homens que fazem sexo com outros homens, em idades relativamente jovens”, observou o especialista.

Para Henrique de Barros, “uma das razões” para este crescimento “é o facto de a sida se ter transformado numa espécie de doença semelhante a todas as outras, para a qual existe uma resposta terapêutica bastante eficaz”.

“Isso fez baixar as guardas. Para uma pessoa ficar infetada pelo VIH, basta ter relações sexuais”, frisou o coordenador, no Porto, da estratégia mundial das “Cidades na Via Rápida para Acabar com a Epidemia VIH”.

De acordo com Henrique de Barros, no Porto a iniciativa vai apostar na “promoção do acesso ao teste do VIH”.

“Temos de ter mais testes e introduzir o teste na rotina dos exames que as pessoas fazem habitualmente, para além de aumentar distribuição de preservativos e lubrificante”, defendeu.

O presidente da Câmara, Rui Moreira, identificou como “prioridade” a aposta “na prevenção da infeção, no diagnóstico precoce” e “na correta e atempada referenciação das pessoas diagnosticadas para que sejam adequadamente acompanhadas nos cuidados de saúde”.

Carlos Nunes, presidente da Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN), defendeu a necessidade da “afirmação da saúde em todas as políticas” e apontou a estratégia de combate local à sida como “um passo em frente na relação da administração central e regional” com as autarquias.

“Esta estratégia pretende facilitar o acesso aos objetivos através do trabalho conjunto”, disse.

O protocolo foi assinado entre a Câmara do Porto, a ARSN, a agência Piaget, a ARRIMO, a associação Farmácias de Portugal, Médicos do Mundo, Centro Hospitalar de São João, Centro Hospitalar Universitário do Porto e a Direção-Geral de Saúde.

Subscreveram ainda o documento a Federação Académica do Porto, o Instituto Ricardo Jorge, a Abraço, a Misericórdia do Porto, a Universidade do Porto, o Instituto Politécnico do Porto e o Instituto Português do Desporto e Juventude, entre outras entidades.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)