Rádio Observador

Acidente Rodoviário

Ambulância envolvida em acidente mortal em Moura não estava certificada pelo INEM

A ambulância da Cruz Vermelha Portuguesa envolvida num acidente durante um serviço de emergência em Moura que provocou dois mortos não estava certificada pelo INEM.

Mario Cruz/LUSA

A ambulância da Cruz Vermelha Portuguesa envolvida num acidente durante um serviço de emergência em Moura que provocou dois mortos não estava certificada pelo INEM e foi usada em substituição de outra certificada que estava em reparação.

Em informações prestadas esta terça-feira à agência Lusa, após uma notícia sobre o caso divulgada pelo Jornal de Notícias, o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) refere que “não existe registo da certificação” da ambulância para poder fazer o serviço de emergência pré-hospitalar acionado pelo organismo e durante o qual ocorreu o acidente.

O acidente ocorreu no dia 07 deste mês, cerca das 22:00, na Estrada Nacional 258, entre as aldeias de Safara e Santo Aleixo da Restauração, concelho de Moura, distrito de Beja, quando a ambulância da Delegação de Safara e Sobral da Adiça da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) se deslocava para um serviço de emergência pré-hospitalar acionado pelo INEM.

Na ambulância seguiam três socorristas, dois dos quais, um de 52 anos, o condutor, e um de 49 anos, morreram, e o outro, de 42 anos, ficou ferido com gravidade e está internado no hospital de Beja.

A ambulância despistou-se, chocou contra o muro de proteção da ponte de uma ribeira e acabou por cair para o leito e embater em rochas, explicou à Lusa fonte da GNR.

Em resposta a perguntas da Lusa, a CVP informou hoje que a sua Delegação de Safara e Sobral da Adiça, no dia do acidente, tinha uma ambulância de socorro Tipo B e quatro ambulâncias para transporte de doentes não urgentes certificadas pelo INEM e uma outra ambulância de socorro Tipo B (a acidentada), que estava “em procedimento de pedido de inspeção ao INEM”.

No dia do acidente, a ambulância de socorro certificada pelo INEM estava “em reparação” e as restantes quatro ambulâncias não podiam ser usadas, porque não têm condições necessárias para o serviço de emergência pré-hospitalar “por serem ambulâncias de transporte de doentes não urgentes”, adiantou a CVP.

Por aquelas razões, explicou a CVP, a delegação, “sem nunca colocar em causa a assistência médica às vítimas”, optou “pela priorização do socorro, utilizando uma ambulância” – a acidentada e não certificada – “adequada para o efeito (com condições técnicas e equipamento necessário)” e em “substituição” da ambulância de socorro certificada pelo INEM.

“Face à inoperacionalidade” da ambulância de socorro certificada pelo INEM, a delegação, para “não comprometer o socorro à população”, “priorizou o serviço de emergência” e “utilizou uma ambulância que, apesar de ainda não ter obtido a inspeção pelo INEM, reunia as condições de ambulância de socorro”.

Segundo a CVP, a ambulância usada no serviço e envolvida no acidente está “categorizada como ambulância de socorro (Tipo B)”, tinha “todos os requisitos técnicos e equipamentos concordantes com a legislação em vigor” e estava “em procedimento de pedido de inspeção ao INEM”.

De acordo com o INEM, “na atividade de transporte de doentes, apenas podem ser utilizados veículos certificados” e a CVP “só pode utilizar veículos certificados” pelo organismo em serviços de emergência pré-hospitalar.

Questionado pela Lusa sobre se a delegação comunicou ao INEM o uso de uma ambulância não certificada para realizar o serviço em substituição de outra certificada, o instituto referiu que “não existe registo de qualquer comunicação” naquele sentido.

A ambulância envolvida no acidente “tinha as inspeções periódicas em dia” e “estava abrangida por seguro contra terceiros”, referiu a CVP, indicando que o socorrista que ficou ferido era voluntário e os dois socorristas que morreram “estavam abrangidos pelo seguro de acidentes de trabalho”.

O acidente teve “um impacto direto devastador na equipa” da Delegação de Safara e Sobral da Adiça da CVP e, por isso, a substituição da ambulância é “imprescindível” para o “retorno às rotinas da estrutura” e “a continuidade da nobre missão de socorro à população” e “será feita com a maior brevidade possível”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)