Líbia

Enviado da ONU alerta para “guerra longa e sangrenta” na Líbia

"A Líbia está a caminho de uma guerra civil que poderá conduzir a uma divisão permanente do país", disse Ghassan Salamé. Há já 510 mortos e 2.467 feridos devido aos ataques de Khalifa Haftar

Ghassan Salame lamenta também o envio em grandes quantidades de armamento para a Líbia

ANGELO CARCONI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O enviado da ONU para a Líbia disse esta terça-feira que a batalha de Tripoli “é apenas o início de uma guerra longa e sangrenta” e exigiu uma ação da organização para travar o fluxo de armas destinadas àquele país.

“A Líbia está a caminho de uma guerra civil que poderá conduzir a uma divisão permanente do país”, advertiu o académico libanês Ghassan Salamé durante uma intervenção perante o Conselho de Segurança. “A destruição registada até agora vai levar anos a ser recuperada, e apenas no caso de a guerra terminar agora”, frisou.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o conflito desencadeado em 4 de abril pela ofensiva do homem-forte do leste líbio, marechal Khalifa Haftar, para controlar a capital Tripoli já provocou 510 mortos e 2.467 feridos.

Segundo a ONU, mais de 75.000 pessoas foram forçadas a fugir e mais de 100.000 estão encurraladas nos arredores de Tripoli devido aos combates.

Na sua intervenção, Ghassan Salame lamentou o envio em grandes quantidades de armamento em direção à Líbia, apesar do embargo às armas em vigor desde 2011.

“Há países que estão a alimentar este conflito sangrento e as Nações Unidas devem pôr-lhe fim”, solicitou, mas sem especificar. “O embargo às armas na Líbia vai tornar-se numa farsa cínica na ausência de um mecanismo robusto para o aplicar”, acrescentou.

O marechal Haftar é apoiado, entre outros, pela Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e o Egito. Pelo contrário, a Turquia e o Qatar estão solidários com as forças leais do Governo de Acordo Nacional (GAN) reconhecido pelas instâncias internacionais e com sede em Tripoli.

O conflito “já é explorado” pelos grupos jihadistas Estado Islâmico e Al-Qaida para aumentarem a sua influência no país, sublinhou ainda o emissário da ONU. Na sua perspetiva, “não existe solução militar na Líbia” e é indispensável “assegurar o fim das hostilidades” e o “regresso a um processo político sob a égide da ONU” para terminar o conflito.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)