Venezuela

Maduro vê sinais positivos de diálogo mas adverte oposição que “não é ingénuo”

Apesar de acreditar "na paz e no diálogo", Nicolás Maduro frisou que está a preparar o povo para "defender a pátria, como for, onde for e quando for".

"Eu sou um homem essencialmente de paz, porque o que eu conheço é a paz, a luta pela paz. Mas não pensem que sou ingénuo. Não se confundam", disse Nicolás Maduro

Prensa Miraflores / HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse esta terça-feira que foi “muito positiva” a primeira ronda de diálogo com a mediação da Noruega, mas advertiu a oposição que “não é ingénuo”.

“Tivemos uma primeira ronda com a mediação do governo da Noruega (…) E tenho que dizer que foi muito positiva. Sou um homem que acredita na palavra como veículo de comunicação para superar as diferenças”, disse o chefe de Estado venezuelano.

Nicolás Maduro dirigia-se a milhares de simpatizantes que se concentraram junto ao palácio presidencial de Miraflores para celebrar o primeiro aniversário de 20 de maio de 2018, dia em que foi reeleito para um novo mandato numas eleições presidenciais que a oposição questiona e que vários países não reconhecem.

“Eu sou um homem essencialmente de paz, porque o que eu conheço é a paz, a luta pela paz. Mas não pensem que sou ingénuo. Não se confundam”, disse.

Apesar de acreditar “na paz e no diálogo”, Nicolás Maduro frisou que está a preparar o povo para “defender a pátria, como for, onde for e quando for”.

“E vou empenhar-me, com todo o meu esforço e dedicação, para que a Venezuela consiga, o mais rapidamente possível, um acordo de paz com a oposição venezuelana. Um acordo de concórdia e respeito”, que leve os opositores a “regressarem ao caminho constitucional”, vincou.

No entanto, advertiu que os venezuelanos devem estar alertas.

“Isso sim, olhos abertos, são muito malucos, demasiado maus, eu sei com quem estamos a falar (…) que se ofendam se quiserem. Falamos com o diabo, que Deus nos ampare e proteja, mas se com o próprio diabo há que falar, pela paz e a prosperidade da Venezuela, pois vamos falar com o próprio diabo“, disse.

As declarações do Presidente Nicolás Maduro tiveram lugar horas depois de Carlos Vecchio, representante diplomático do líder opositor Juan Guaidó, ter tido um encontro nos EUA com o subsecretário norte-americano da Defesa, Sérgio de la Peña, e o enviado do Departamento de Estado dos EUA para a Venezuela, Elliott Abrams.

Durante a reunião debateram “todos os aspetos relacionados com a crise na Venezuela”, explicou Carlos Vecchio durante uma conferência de imprensa em La Florida, EUA.

“Vamos embora positivos, acho que houve um ponto importante de avanço”, disse.

O Presidente Nicolás Maduro recebeu, na noite de quinta-feira, os representantes do Grupo de Contacto Internacional (GCI) no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas.

A reunião resultou da presença em Caracas de uma missão política do GCI, na qual Portugal está representado pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando Juan Guaidó jurou assumir as funções de Presidente interino e prometeu formar um Governo de transição e organizar eleições livres.

Na madrugada de 30 de abril, um grupo de militares manifestou apoio a Juan Guaidó, que pediu à população para sair à rua e exigir uma mudança de regime, mas não houve desenvolvimentos na situação até ao momento.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, denunciou as iniciativas do presidente do Parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderado pelos Estados Unidos.

À crise política na Venezuela soma-se uma grave crise económica e social, que já levou mais de 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, de acordo com dados das Nações Unidas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)