BMW

Nova geração do i8 semeia a dúvida na BMW

Que a BMW aposta num futuro electrificado, não restam dúvidas. Mas a pressão ambiental (e da concorrência) para os lados da Baviera está a ser tal que até o futuro do i8 se questiona: PHEV ou BEV?

Autor
  • Observador

A nova geração do i8, embora programada para 2023, está a exigir decisões que têm de ser tomadas muito rapidamente – ainda este ano. Em causa, segundo avança a Autocar, está o sistema de propulsão que porta-estandarte da BMW vai adoptar, pois se há uma linha que defende a sua continuidade enquanto híbrido plug-in, parece que há outra franja a preparar um plano B, que passa por converter o desportivo alemão num modelo 100% eléctrico.

“Há duas linhas de pensamento em relação ao futuro i8. Ambas parecem ter os argumentos válidos, mas ainda não foi tomada uma decisão definitiva”, confirmou à Autocar um alto funcionário do fabricante de Munique, em reacção a notícias avançadas pela imprensa alemã, nas quais se garantia que a BMW já tinha optado por uma nova geração do i8 100% eléctrica.

Se, por um lado, o chefe de Desenvolvimento da BMW, Klaus Fröhlich, sempre se manifestou a favor de uma evolução da solução híbrida plug-in que o actual i8 oferece, por outro, parecem crescer o número de adeptos a favor de uma opção exclusivamente eléctrica a bateria. Sucede que, a ser assim, a decisão tem de ser tomada o mais tardar no próximo semestre, para garantir que os planos da marca não são afectados pela falta de baterias, que entretanto terão de ser contratadas a fornecedores.

Altas patentes da marca consideram que converter o i8 num desportivo 100% eléctrico seria a melhor resposta a uma concorrência crescente, com propostas de estrada na casa do milhar de cavalos. Depois, porque isso permitiria estabelecer um elo e capitalizar em imagem o envolvimento da BMW na Fórmula E. No entanto, há contras. Nomeadamente o forte investimento que seria necessário fazer na plataforma, pois a actual enferma à partida de um défice de modularidade que as arquitecturas rivais, por serem mais recentes e especificamente concebidas já a pensar em alojar apenas packs de baterias, não acusam. Uma alternativa pode passar pela adaptação da plataforma do iNext.

Quanto aos acumuladores, certo é que está fora de questão o recurso a baterias sólidas, em que a BMW trabalha desde 2017 com a empresa norte-americana Solid Power. As simulações em laboratório oferecem perspectivas promissoras, assegura uma fonte da marca alemã, embora admita que essa tecnologia ainda não estará “madura” na altura de apresentar o sucessor do actual i8. A converter-se num BEV, o desportivo alemão tem que no mínimo exceder os 400 km de autonomia, para granjear respeito entre esta classe de veículos.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)