Rádio Observador

Amnistia Internacional

Política de Bolsonaro traduz-se em medidas contra direitos humanos no Brasil, diz Amnistia

A Amnistia Internacional lançou uma ação chamada 'Brasil para todo o mundo' em que apresenta as suas preocupações sobre as políticas de Bolsonaro que considera violarem os direitos humanos.

Em 2017, a Amnistia Internacional divulgou dados que mostraram que o Brasil era um dos países mais perigosos das Américas para os defensores de direitos humanos

Franque Silva/LUSA

O discurso contra os direitos humanos que marcou a trajetória política do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, está a concretizar-se em medidas e ações que violam os direitos humanos no país, alertou esta terça-feira a Amnistia Internacional.

A organização não-governamental lançou uma ação chamada ‘Brasil para todo o mundo’ na qual apresenta as suas preocupações e recomendações ao governo brasileiro.

“Em outubro de 2018, logo após o fim do processo eleitoral, alertámos para o facto de as posições de [Jair] Bolsonaro representavam um risco concreto para os direitos humanos no país. Temos acompanhado atentamente o seu governo, e, infelizmente, a nossa preocupação começa a justificar-se”, disse Jurema Werneck, diretora executiva da Amnistia Internacional no Brasil, em comunicado.

O governo de Bolsonaro tem adotado medidas que ameaçam o direito à vida, à saúde, à liberdade, à terra e ao território de brasileiros que, estejam no campo ou na cidade e que desejam uma vida digna e livre do medo”, acrescentou.

O documento divulgado pela ONG citou entre as medidas que foram tomadas pelo novo governo brasileiro que violam os direitos humanos a flexibilização da regulação sobre o porte e a posse de armas, que poderá contribuir para o aumento do número de homicídios no país.

Também é alvo de críticas a nova política nacional sobre drogas, que elevaria o caráter punitivo e atenta contra o direito à saúde, o impacto negativo de novas políticas sobre direitos de povos indígenas e a tentativa de ingerência indevida no trabalho das organizações da sociedade civil que atuam no Brasil.

Este é um momento extremamente delicado nas Américas, com governos que, em vez de proteger os direitos humanos nos seus países, promovem medidas e políticas devastadoras para as pessoas”, frisou Erika Guevara-Rosas, diretora da Amnistia Internacional para as Américas.

“Nos últimos meses, vemos como esta tendência regressiva afeta o Brasil com algumas posturas preocupantes do governo do Presidente Bolsonaro”, acrescentou.

Em 2017, a Amnistia Internacional divulgou dados que mostraram que o Brasil era um dos países mais perigosos das Américas para os defensores de direitos humanos.

Um levantamento da ONG Global Witness também revelou que o Brasil é o país mais arriscado do mundo para quem defende os direitos humanos em matérias relacionadas com a terra e o meio ambiente.

“É urgente que o Presidente Bolsonaro adote medidas para reverter este quadro, respeite os tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário, garanta liberdade de atuação para pessoas e organizações que atuam no país pela construção de uma sociedade melhor, e abandone o seu discurso anti-direitos humanos, que legitima violações contra determinados grupos”, frisou Erika Guevera-Rosas.

Para a mesma responsável, é preocupante que o espaço de atuação da sociedade civil no Brasil e em todo o mundo esteja diminuindo, com a adoção de múltiplas leis que procuram controlar e impedir o trabalho das ONG.

“Existem, lamentavelmente, cada vez mais países que tentam controlar organizações não-governamentais e procuram impedir trabalhos que são cruciais por apontarem falhas, crimes e violações de direitos humanos cometidos pelo Estado. Preocupa-nos que as medidas adotadas pelo atual Governo no Brasil sobre acompanhamento de ONG vão na mesma direção” frisou.

A Amnistia Internacional concluiu pedindo ao governo brasileiro que “adote medidas firmes e decisivas para proteger e garantir os direitos humanos em todo o país e assegurar que as pessoas que os defendem e se mobilizam a seu favor possam fazê-lo sem medo de sofrer represálias”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)