Angola

Presidente angolano assinala “biodiversidade ímpar” do país em livro apresentado hoje

Foi apresentado o livro "Biodiversidade de Angola - Ciência e Conservação: Um Síntese Moderna"sobre biodiversidade, com informações dos últimos dois séculos sobre a flora e fauna angolana.

Em relação ao Dia Mundial da Biodiversidade, que se assinala na quarta-feira, Vladimir Russo defendeu a necessidade de se "travar a caça furtiva e a desflorestação" em Angola

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Angola conta a partir desta terça-feira com um livro sobre biodiversidade, com informações dos últimos dois séculos sobre a flora e fauna angolana, editado por especialistas africanos, europeus e norte americanos e com prefácio do Presidente angolano, João Lourenço.

“Angola continua a ser um dos países menos bem documentados do mundo em termos da sua biodiversidade. Esta situação está prestes a mudar. Cientistas angolanos colaboraram com mais de 40 colegas de 10 países para produzir uma síntese de conhecimento sobre a biodiversidade ímpar de Angola”, escreveu João Lourenço, acrescentando que a obra “identifica as excitantes oportunidades de investigação que os cientistas e demais interessados podem abraçar”.

Intitulado “Biodiversidade de Angola – Ciência e Conservação: Um Síntese Moderna”, o livro comporta 20 capítulos e mais de 700 páginas e contou com quatro editores, nomeadamente o angolano Vladimir Russo e o português Nuno Ferrand de Almeida e 46 outros colaboradores de vários países.

O livro, editado em inglês e português, foi apresentado durante uma conferência sobre Biodiversidade de Angola promovida, esta terça-feira, pela Fundação Kissana, no Memorial António Agostinho Neto, em Luanda.

Segundo Vladimir Russo, um dos editores do livro e diretor executivo da Fundação Kissama, o documento contém informações da biodiversidade angolana “desde os anos de 1800” e confirma a existência de muitos dados sobre as espécies da flora e fauna do país.

“No entanto, a ausência ainda de mapas de vegetação atualizados sobre a distribuição de determinada espécie, constatação de que a biodiversidade é rica, significa que está pouco estudada e, deste modo, é difícil fazer a conservação que queremos”, sublinhou.

Além da abordagem científica, os autores apresentam ao longo dos 20 capítulos “preocupações sobre a degradação da biodiversidade devido à expansão urbana, à caça furtiva, à agricultura e à indústria extrativa”.

“Vão degradando a nossa biodiversidade. O quadro não é bom, mas também não é muito mau. É possível reverter. Daí ter dito que é possível fazer investigação, fazer mais para trabalhar em projetos de investigação”, afirmou.

De acordo com o responsável, a rica biodiversidade angolana é uma das constatações do livro, acrescendo-se a “necessidade de se fazer mais investigação”.

Daí que, referiu, compilaram-se “informações de dois séculos” e elencaram-se “algumas oportunidades de conservação”, porque dos vários biomas que há no país “nem todos estão representados nas áreas de conservação”.

O também ambientalista angolano apontou ainda a inexistência de recursos humanos para trabalhar nas áreas de biodiversidade, referindo que Angola “não tem taxonomistas”, especialistas da área da genética.

“Todo o trabalho que fazemos de recolha de tecidos, fragmentos de ósseos, de espécies para a análise de ADN tem de ser mandado para o exterior, porque não temos essas capacidades aqui, pelo que é preciso formar essas pessoas”, sustentou.

Em relação ao Dia Mundial da Biodiversidade, que se assinala na quarta-feira, Vladimir Russo defendeu a necessidade de se “travar a caça furtiva e a desflorestação” em Angola, argumentando que essas ações “estão a limitar os projetos de conservação e a proteção da biodiversidade, principalmente a biodiversidade fora das áreas de conservação”.

“É importante redefinir, há uma série de políticas aprovadas e temos de cumprir com os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio”, concluiu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)