Rádio Observador

Salários

Salários negociados na contratação coletiva sobem acima da inflação há três anos

Segundo o relatório anual do CRL, o aumento médio real dos salários (descontando a inflação) acordado na negociação coletiva no ano passado foi de 2%, após ter atingido 1,8% em 2017 e 0,6% em 2016.

Já o número de trabalhadores potencialmente abrangidos no ano passado foi de 900.382, contra 820.883 em 2017

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os salários negociados na contratação coletiva registaram em 2018 aumentos superiores à inflação pelo terceiro ano consecutivo, segundo o relatório anual do Centro de Relações Laborais (CRL) que é apresentado esta terça-feira, em Lisboa.

De acordo com o documento a que a Lusa teve acesso, o aumento médio real dos salários (descontando a inflação) acordado na negociação coletiva no ano passado foi de 2%, após ter atingido 1,8% em 2017 e 0,6% em 2016.

Já a variação nominal média salarial (incluindo a inflação) para o total das convenções coletivas foi de 3,3% em 2018, depois de 2,6% em 2017 e de 1,5% em 2016.

“A variação salarial nominal, face ao ano anterior, continuou a subida iniciada em 2016, verificando-se também que a variação salarial real foi positiva pelo terceiro ano consecutivo”, lê-se no relatório que será apresentado numa cerimónia com a presença do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva.

O relatório detalha ainda a remuneração convencional média por setor, verificando-se o valor mais elevado, de 1.254 euros, nas atividades financeiras e de seguros, e o mais baixo, de 623,36 euros, na construção.

Os dados gerais da contratação coletiva mostram ainda que, em 2018, registaram-se 220 convenções, contra 208 em 2017, tal como o Governo já tinha avançado.

O aumento do número de convenções publicadas “deve-se à subida significativa do número de primeiras convenções (quase duplicaram), acompanhada de pequeno aumento de revisões globais, assistindo-se ao ligeiro decréscimo do número de revisões parciais”, avança o CRL.

As primeiras convenções representam 18,63% do total, as revisões globais 20,45% e as revisões parciais 60,9%.

Já o número de trabalhadores potencialmente abrangidos no ano passado foi de 900.382, contra 820.883 em 2017.

O relatório dá ainda conta de um crescimento do número de convenções coletivas no setor público empresarial (SPE), incluindo as empresas do Estado e as da administração local, onde o número de empresas abrangidas subiu de 16 em 2017 para 79 em 2018.

“Em síntese, poderá dizer-se que em 2018 se fecha um ciclo de limitações à contratação coletiva do SPE, motivadas pelo contexto de restrição financeira ocorrida a partir de 2011”, conclui-se no documento.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)